Home / Encontro de diabetes / 1º Encontro de Pacientes e Blogueiros de Diabetes discute informações e perspectivas sobre a doença no Brasil

1º Encontro de Pacientes e Blogueiros de Diabetes discute informações e perspectivas sobre a doença no Brasil

Primeiro dia do evento desmistificou a doença e reforçou o empoderamento do paciente

Tudo que você precisa saber sobre diabetes para viver com qualidade foi o tema principal do primeiro dia do 1º Encontro de Pacientes e Blogueiros de Diabetes, realizado no último sábado (28/10), em São Paulo. O evento debateu o cenário do diabetes no País e no mundo e de que forma as pessoas podem colaborar para a garantia dos direitos dos pacientes. Com a presença de cerca de 100 participantes, entre blogueiros, profissionais da saúde, pacientes e familiares de todo o Brasil, o evento foi dinâmico e contou com palestras informativas e motivacionais, além de bate-papo com perguntas e respostas sobre a doença.  Já no domingo (29/10), o evento foi fechado para os blogueiros e ativistas e discutiu o impacto da informação sobre diabetes na ativação e empoderamento do paciente. Confira como foi o primeiro dia!

Diabetes – O que precisamos saber sobre a doença?

Realizado pelo grupo Blogueiros da Saúde, em parceria com as empresas Sanofi, Merck, Boehringer Ingelheim e Novo Nordisk, o encontro teve início oficial com a palestra da Dra. Denise Franco, endocrinologista e diretora coordenadora do Departamento de Educação da Associação Diabetes Brasil (ADJ), que trouxe muita informação sobre a doença, além de dicas de como otimizar o tratamento. Em sua fala, a doutora destacou que, atualmente, o diabetes é uma epidemia no mundo e que os pacientes e a população precisam de educação sobre a doença. Dra. Denise esclareceu os tipos de diabetes, entre eles o tipo 1, que é autoimune, e o tipo 2, caracterizado pela resistência à insulina. “Uma das causas do diabetes tipo 1 é um reconhecimento equivocado do sistema imune, por exemplo, diante de um vírus (invasor), que acaba destruindo as células que produzem insulina. Já o tipo 2 está relacionado à predisposição genética, obesidade e sedentarismo”, contou. Além disso, a endocrinologista também comentou sobre os principais estudos em desenvolvimento para entender as fases da doença e tirou dúvidas dos presentes sobre os tratamentos atuais do diabetes, entre eles medicação oral, insulina, bomba de insulina, e transplante de ilhotas.

Entendendo a relação entre diabetes e doenças cardiovasculares

Em seguida, o presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Dr. Luiz Turatti, falou sobre a relação entre o diabetes e as doenças. Segundo o especialista, pessoas com diabetes possuem 80% mais risco de morrer por doenças cardiovasculares e destacou que esta ligação não é percebida entre eles. Para evitar ou retardar o aparecimento desta e outras complicações, Turatti reforçou a importância de se manter uma hemoglobina glicada (média da taxa de açúcar no sangue) dentro dos valores ideais, o que envolve medicação adequada, alimentação equilibrada e exercício físico. O médico também comentou sobre novas medicações para o diabetes, que além de controlarem a glicemia, também protegem o coração. Por fim, o presidente apresentou a campanha “Junto ao seu coração – Cuidar do diabetes é proteger quem você ama”, que conta com um vídeo informativo sobre o assunto.

Política nacional de prevenção ao diabetes – como o SUS cuida do diabético no Brasil

Fechando a manhã do evento, a Dra. Karla Melo, representante da Sociedade Brasileira de Diabetes/Projetos de Insulinas Análogas falou sobre a política nacional de prevenção ao diabetes e como o SUS cuida do diabético no Brasil. A especialista, que é DM1, discursou sobre o que precisa ser mudado no tratamento das pessoas com diabetes, para que tenham melhor qualidade de vida.
“Precisamos otimizar a educação em diabetes e a automonitorização glicêmica”, disse. Dra. Karla destacou a importância da utilização da tecnologia para o empoderamento do paciente, como aplicativos específicos para isso, entre eles, o GlicOnline, o qual ela foi uma das idealizadoras do projeto.

Tratamento do diabetes no Programa Farmácia Popular e Atenção Básica

À tarde, os presentes desfrutaram de palestras de especialistas, representantes de entidades, blogueiros e ativistas que lutam pela causa do paciente com diabetes. Iniciando os trabalhos, Dr. Walter Minicucci, ex-presidente da SBD e atual diretor do Departamento de diabetes da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM); Luiz Carlos Medeiros, conselheiro nacional de saúde pela Federação Nacional de Associações e Entidades de Diabetes (FENAD) e Vanessa Pirolo, conselheira pela ADJ Diabetes Brasil falaram sobre a importância da manutenção do programa das Farmácias Populares para o paciente diabético. Além disso, Dr. Walter ressaltou a relevância da assistência integral à pessoa com diabetes desde a atenção básica, priorizando um tratamento humano e a parceria entre médico-paciente para um bom tratamento. Vanessa enfatizou o trabalho do controle social exercido pelas organizações de pacientes e blogueiros, deixando claro a necessidade de manutenção do Programa Farmácia Popular e disponibilidade dos representantes da sociedade civil em se reunir com o Ministro da Saúde.

Medicamentos genéricos e biossimilares, o que devemos saber?

Já o Dr. Ricardo Garcia, membro do Conselho do Centro Latino Americano de Pesquisas em Biológicos trouxe informação, de forma didática, sobre os medicamentos genéricos e biossimilares e suas atuações no tratamento de doenças. Em sua fala, o pesquisador explicou que os genéricos são medicamentos sintéticos produzidos por técnicas de sintetização química, ou seja, seguindo a mesma “receita”, se obtém sempre o mesmo produto. Já o biológico é cultivado a partir de células vivas ou microrganismos. Por conta disso, não é possível recriar exatamente o mesmo medicamento biológico, mas é possível obter um biossimilar, que garantirá o mesmo efeito. Os biossimilares são utilizados em doenças autoimunes, como diabetes tipo I e artrite reumatoide. O especialista destacou que há uma série de estudos comparativos para garantir a eficiência destes medicamentos. Por fim, Ricardo comentou sobre a polêmica da intercambialidade (troca) de medicamentos. “A troca de medicamentos pode ocorrer por razões médicas ou não, entre elas resposta inadequada, conveniência, preferência do paciente ou economia financeira”. O profissional destacou que em caso de dúvida, o paciente deve buscar ajuda e esclarecimentos com o médico que o acompanha.

Cuidados nutricionais para o paciente com diabetes

O final do dia contou com três palestras de blogueiros, que vivenciam a doença e usam as redes sociais como forma de melhorarem o controle e contribuírem para a qualidade de vida de outras pessoas com diabetes. Noelly Dantas, nutricionista, educadora em diabetes e DM1, palestrou sobre os cuidados nutricionais para o diabético. A especialista elucidou mitos e verdades acerca da alimentação, entre eles, o mito de que a pessoa com diabetes não pode comer carboidrato ou açúcar. Noelly enfatizou, de forma bem-humorada, que a única comida que o paciente com diabetes não pode ingerir é aquela com veneno. A nutricionista transmitiu otimismo e reforçou que a “alimentação voltada para a pessoa com diabetes deve ser saudável, equilibrada e sem restrições”.

4 pilares para um bom tratamento e Fatores emocionais – empoderamento e adesão ao tratamento

Já Fred Prado e Pablo Silva, dos blogs Máfia da Insulina/Vida de Diabético e Eu e a Bete, respectivamente, trouxeram descontração, bom humor e doses de motivação aos presentes. Ambos afirmaram que a doença trouxe qualidade de vida, e que o diabetes não é uma sentença de morte. “Com uma rotina diária de exercícios físicos e uma dieta balanceada é possível conviver bem com a doença”, disse Fred. O empresário destacou quatro pilares para um bom tratamento: medição e gestão da glicemia, alimentação e atividade física, medicação correta e atenção e cuidados da saúde mental e emocional.

Pablo encerrou o evento destacando a importância da troca de experiências nas redes sociais como parte do tratamento da doença. O blog surgiu em sua vida como uma forma de se motivar e elucidar dúvidas e medos sobre a doença. O Eu e a Bete possui conteúdos informativos e otimistas sobre a doença, com o objetivo de transformar o problema em uma motivação para a vida. “A Bete (diabetes) não me limita, apenas me motiva!”, destacou o blogueiro.

Confira como foi o segundo dia! Influenciadores de diabetes trocam experiências no 1º Encontro de Blogueiros de Diabetes 

 

Sobre Priscila Torres

mm

O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR.
Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social “Jornalismo” na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas