Home / Notícias / Bomba de insulina com monitorização contínua de glicose reduz os eventos hipoglicêmicos noturnos em até 31,8%

Bomba de insulina com monitorização contínua de glicose reduz os eventos hipoglicêmicos noturnos em até 31,8%

Sistema-de-Infusão-Contínua-de-InsulinaA nova tecnologia, desenvolvida para o controle de Diabetes Tipo 1, previne episódios de hipoglicemia que pode causar desmaio, convulsões e até levar o paciente ao coma.

São Paulo – 18 de Agosto de 2014 ― De acordo com os dados da FID – Federação Internacional de Diabetes, cerca de 11,9 milhões de brasileiros sofrem de diabetes e, estima-se que até 2035, este número cresça para 19,2 milhões de pessoas.

Com esse número, o Brasil é o quarto país com o maior índice de diabetes no mundo – atrás apenas de China, Índia e Estados Unidos – e o primeiro país da América do Sul e Central, seguido pela Colômbia (2,1 milhões), Argentina (1,6 milhões) e Chile (1,3 milhões).

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), calcula-se um aumento de 3% na incidência de diabetes tipo 1 por ano, sendo que deste, 79 mil são crianças menores de 15 anos. Hoje, para cada 100 mil habitantes existem 40 portadores de diabetes tipo 1. Esses pacientes são caracterizados pela incapacidade do pâncreas em produzir insulina, hormônio que necessita ser reposto e pode gerar episódios de hipoglicemia (diminuição no nível de glicose no sangue) podendo causar desmaios, convulsões e até mesmo levá-los ao coma. “Cerca de 50% destes eventos ocorrem à noite, quando é mais difícil de monitorar os níveis de glicose, o que acaba afetando mais as crianças”, afirma Dr. Felipe Monti Lora, Endocrinologista Pediatra.

A bomba de insulina Paradigm VEO realiza uma monitorização contínua da glicose, 24 horas por dia, com leituras atualizadas a cada 5 minutos, indicando em que nível está a glicemia do usuário, além de contar com mecanismo automático de suspensão da infusão de insulina para protegê-lo contra episódios de hipoglicemia potencialmente perigosos.

“Isso significa uma real melhora na qualidade de vida do paciente com diabetes tipo 1, uma vez que, além do paciente ter melhor controle dos seus índices glicêmicos, o uso desta tecnologia reduz a quantidade de aplicações de insulina de 4 a 6 vezes por dia, pela troca de um pequeno catéter que garante a administração da insulina em microdoses 24 horas por dia, e que deve ser substituído uma vez a cada três días. Além disso, pode ser colocado e retirado facilmente para realizar atividades diárias como tomar banho ou se exercitar”, completa Dr. Felipe Monti Lora.

O estudo ASPIRE publicado no New England Journal of Medicine em 2013 mostrou uma redução de 31,8% nos eventos hipoglicêmicos noturnos e de 37,5% na intensidade e duração dos eventos hipoglicêmicos noturnos em pessoas que usam o sistema de bomba de insulina VEO com monitorização contínua da glicose.

As vantagens para o paciente

Maria Luíza, de 9 anos de idade, é uma das primeiras pacientes no Brasil a usar a tecnologia da bomba de insulina Paradigm VEO. A diabetes Tipo 1 foi descoberta em 2011 quando ela tinha apenas 6 anos de idade e os primeiros sintomas identificados pelos pais foram a sede e a vontade constante de ir ao banheiro.

Hoje, apenas alguns meses após começar a utilizar a nova bomba, Maria Luíza e seus pais já sentem uma grande diferença na rotina da família. “Antes ela tomava uma média de 6 injeções diárias de insulina. Hoje, nós substituímos essas injeções pelo uso de um catéter que deve ser trocado a cada 3 dias e que faz a administração automática da insulina”, afirma Edvaldo Simões da Fonseca Júnior, pai de Maria Luiza. “Eu tenho uma planilha de controle onde eu anoto as variações dos níveis glicêmicos da minha filha. Desde a troca pela nova bomba os episódios de hipoglicemia diminuíram mais de 20%”, completa Edvaldo.

Outros benefícios na rotina da família Simões também foram observados. “Nós ficamos menos rígidos na dieta. Hoje, se alguma refeição atrasa ou se ela come alguma coisa fora do horário normal de refeição, não ficamos mais preocupados. Antes, alimentos como açúcar e massa eram bem mais controlados”, explica Edvaldo. “Hoje posso comer cereais açucarados, no café da manhã, tranquila!”, comemora Maria Luíza.

 

FONTE: http://deboraligieri.blogspot.com.br/2014/09/bomba-de-insulina-com-monitorizacao.html?m=1

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Menino aguarda transplante de pulmão morando há seis anos em hospital de Canoas

Desde o primeiro ano de vida, o lar de Bernardo Moreira Loureiro, hoje com 7, …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: