Home / Utilidade Pública / Como respira o brasileiro?

Como respira o brasileiro?

Pesquisa inédita mostra panorama da saúde respiratória no Brasil, enfatizando problemas como asma no país

Falta de ar, tosse, chiado no peito, muco, coriza: sintomas que afetam milhões de brasileiros. As estatísticas apontam que cerca de 20 milhões de pessoas têm asma no país[1], enquanto a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), consequência do tabagismo, é reconhecida como a 4ª causa de morte no mundo, atingindo 7 milhões de pessoas só no Brasil[2]. Mas qual seria o conhecimento e a relação do brasileiro com essas doenças?

Para entender melhor o cenário, a BoehrinComo-respira-o-brasileiroger Ingelheim do Brasil, encomendou ao Ibope a coleta de dados de uma pesquisa nacional com pessoas de diferentes classes, gêneros e localidades. O principal objetivo era realizar um levantamento sobre o quanto a população conhece as doenças respiratórias, suas percepções sobre sintomas, tratamentos e impacto nas atividades de rotina; além de saber mais sobre o comportamento de quem respondeu apresentar alguma(s) dessas doenças.

A pesquisa, feita com 2.010 pessoas entre maio e junho de 2015, demonstrou que 44% dos brasileiros apresentam sintomas respiratórios (tosse, falta de ar, chiado no peito, coriza) que, geralmente, são percebidos como manifestações de doenças como asma, bronquite, DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica). Desta parte da população, 35% disseram ter “asma” e 37% citaram “bronquite crônica”[*]

Segundo o Dr. Clystenes Odyr Soares, professor de pneumologia da UNIFESP-EPM, que analisou a pesquisa: “nos chamou atenção a grande quantidade de pessoas que disseram ter ‘bronquite crônica’, sendo que esta doença é bem menos frequente e está relacionada a anos de tabagismo. Por isso, é bem provável que a ‘bronquite crônica’, mencionada nos resultados, na verdade, seja ‘asma’ – principalmente se os primeiros sintomas surgirem ainda na infância, como é o caso de 73% dos entrevistados que responderam ter bronquite”.

Quando comparamos os dados por região, a maior prevalência de sintomas respiratórios, 65%, se dá nos estados do Sul do Brasil, enquanto apenas 34% da população da Região Norte e Centro-Oeste mencionaram alguma das doenças. Dr. Clystenes destaca que “podemos sugerir que essa discrepância sobre a presença de sintomas respiratórios entre as regiões do Brasil pode ser devido às diferenças climáticas típicas de nosso país, em que regiões Norte e Centro-Oeste quase não vivenciam um inverno propriamente dito. Afinal, temperaturas mais baixas associadas com baixa umidade relativa do ar são consideradas um risco para o funcionamento adequado das vias aéreas e do aparelho respiratório.[3]”

A presença de sintomas respiratórios também difere entre sexo: 39% dos homens e 46% das mulheres responderam ter tido a saúde afetada por este tipo de doença. “Essa prevalência maior entre mulheres adultas corresponde aos dados publicados em estudos já bem conhecidos pelos médicos. Em um grande estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde), por exemplo, realizado em nove países em desenvolvimento, estimou-se que 50-60% dos indivíduos que procuraram as UBS (Unidades Básicasde Saúde) eram mulheres[4]. Portanto, é importante que a população feminina esteja atenta às alternativas de controle e tratamento de doenças respiratórias”.

Um dado que chamou atenção em relação aos pacientes que disseram ter “asma” é a alta percepção de controle versus o entendimento sobre as consequências da doença em sua vida. “91% percebem sua doença como “controlada”, enquanto 72% reconhecem consequências da ‘asma’ nas atividades de rotina simples, como trabalhar, por exemplo. “Esse levantamento nos alerta para a percepção equivocada que os pacientes parecem ter em relação aos sintomas respiratórios que não são valorizados e, consequentemente, podem não receber a avaliação médica adequada. É muito interessante notar essa contradição: como é possível que a maioria dos pacientes perceba a doença como controlada e, ao mesmo tempo, reconheça o prejuízo nas atividades de rotina? Infelizmente, esse descuido em relação ao controle da asma não é novidade para nós médicos, pois existem estudos publicados que reforçam este cenário preocupante (estudo La Aim)[5]”.

Por todas as considerações apresentadas pela pesquisa, cabe estar atento às doenças respiratórias e procurar um médico com o aparecimento de qualquer sintoma. No caso de pacientes asmáticos, a atenção ao controle dos sintomas é fundamental para que o tratamento seja o mais adequado e que se tenha melhor qualidade de vida.

Asma grave e os sintomas não-controlados

De acordo com a Iniciativa Global contra a Asma (GINA), os pacientes são sintomáticos se pelo menos uma vez nas últimas quatro semanas apresentarem: sintomas diurnos mais de duas vezes por semana, qualquer despertar noturno, uso de medicamentos de resgate mais de duas vezes por semana ou se a asma estiver limitando as suas atividades cotidianas. Os sintomas prolongados são indicadores de que a asma não está controlada e podem, assim, comprometer significativamente a vida diária dos pacientes, conforme mostrou a pesquisa.

Em relação a impactos socioeconômicos da asma grave no Brasil:

  • A asma é a quarta causa de internações segundo a SBPT[6]
  • Os gastos com asma grave consomem quase 25% da renda familiar dos pacientes da classe menos favorecida (recomendação da OMS < 5% da renda). 6
  • Custo com internações no SUS: R$ 96 milhões.[7]
  • O custo direto e indireto total dos pacientes com asma grave: R$181.652,94/ano,
    R$ 2.838,33/ano/paciente. 7

Lançamento de SPIRIVA® Respimat®

Com tradição na área respiratória no Brasil desde a década de 1970, a Boehringer Ingelheim possui medicamentos que são referências para pacientes e médicos com asma, como Berotec®, Duovent® N, Striverdi® e Atrovent®. A partir de agora, além destas alternativas terapêuticas, os pacientes adultos com asma grave que permanecem sem o controle dos sintomas da doença terão SPIRIVA® Respimat® como opção de tratamento complementar para melhora dos sintomas como crises de falta de ar, tosse crônica, chiado no peito ao inspirar (sibilos).

Um grande estudo feito em 148 instituições nos cinco continente confirmam que os benefícios do SPIRIVA® Respimat® em relação a melhora da função pulmonar, diminuição do risco de crise grave de falta de ar e de piora da asma. Com o dispositivo inovador Respimat®, a entrega do medicamento no pulmão acontece de forma mais eficaz – estima-se que o índice de chegada ao órgão seja de 52%.8

Boehringer Ingelheim

O Grupo Boehringer Ingelheim é uma das 20 principais farmacêuticas do mundo. Com sede em Ingelheim, na Alemanha, a companhia opera globalmente com 146 afiliadas e com um quadro de mais de 47.700 funcionários. Há 130 anos, a empresa familiar mantém o compromisso com pesquisa, desenvolvimento, fabricação e comercialização de novos medicamentos de alto valor terapêutico para a medicina humana e veterinária.

A responsabilidade social é um elemento importante da cultura empresarial da Boehringer Ingelheim, o que inclui o envolvimento global em projetos sociais como o “Mais Saúde” e a preocupação com seus colaboradores em todo o mundo. Respeito, oportunidades iguais e o equilíbrio entre carreira e vida familiar formam a base da gestão da empresa, que busca a proteção e a sustentabilidade ambiental em tudo o que faz.

Em 2014, a Boehringer Ingelheim obteve vendas líquidas de cerca de 13,3 bilhões de euros e investiu 19,9% do faturamento em pesquisa e desenvolvimento.

No Brasil, a Boehringer Ingelheim possui um escritório em São Paulo e uma fábrica em Itapecerica da Serra. Há 59 anos no país, a companhia estabelece parcerias com instituições locais e internacionais que promovem o desenvolvimento educacional, social e profissional da população.

Para mais informações, visite www.boehringer-ingelheim.com.br e www.facebook.com/ajudareomelhorremedio.

Sobre Priscila Torres

mm

O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR.
Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social “Jornalismo” na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Medicamentos na internet: nem todos podem vender

O comércio de medicamentos diretamente para o usuário é uma atividade exclusiva de farmácias e …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas