Home / Notícias / Conselho Federal de Medicina autoriza cirurgia para diabetes tipo 2

Conselho Federal de Medicina autoriza cirurgia para diabetes tipo 2

O Conselho Federal de Medicina (CFM) reconheceu nesta quinta-feira (7) uma cirurgia de redução de estômago como tratamento contra uma das principais causas de doenças cardiovasculares e cegueira precoce.

Depois da perda repentina do pai Hamilton desenvolveu duas doenças autoimunes: aquelas em que células de defesa enlouquecem e atacam o próprio corpo. Primeiro foi o vitiligo, mas ele nem se incomoda com as manchas brancas na pele. O pior mesmo foi o diabetes”.

“Eu tomava seis medicações diferentes e insulina de duas a três aplicações por dia e mesmo assim era extremamente descompensado. E aí, com isso, culminou em 2012 num infarto.

Mas há 18 meses é como se nada disso tivesse existido. Hamilton passou por uma cirurgia que mudou a vida dele: nem insulina usa mais.

“Foi como tirar com a mão após a cirurgia”, contou.

Como tudo que é novo, no início a cirurgia metabólica gerou desconfiança. Durante 13 anos ela foi realizada de forma experimental como pesquisa no tratamento do diabetes. Isso muda com o reconhecimento do Conselho Federal de Medicina.

A cirurgia poderá ser usada em pacientes com diabetes tipo 2 há mais de dez anos e sem resposta ao tratamento convencional.

A operação feita por videolaparoscopia é uma cirurgia de redução do estômago com objetivo não só de perda de peso, mas de mexer com o metabolismo e os hormônios associados ao diabetes.

O médico retira parte do estômago e do intestino para encurtar o caminho dos alimentos no sistema digestivo e consegue, assim, entre outras coisas, aumentar a produção de insulina e diminuir a glicose no sangue.

A perda de peso a médio e longo prazos completam o trabalho.

“A cirurgia é indicada pelos endocrinologistas que são médicos clínicos como última opção terapêutica para esses pacientes”, explica mauro Luiz de Britto Ribeiro, presidente em exercício do CFM.

Um grande desafio a partir de agora será treinar equipes para que a cirurgia possa acontecer em outras partes do Brasil e beneficiar um número maior de pacientes.

“Como a gente sabe que controlar diabetes, além de salvar vidas economiza dinheiro para qualquer sistema de saúde, seja ele privado ou público, então é controlar uma doença que, no Brasil, tem 14 milhões e, como o mundo inteiro, a grande maioria não está controlada”, disse Ricardo Cohen, cirurgião e coordenador do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Para essa cirurgia ser oferecida pelo SUS, é preciso que alguém encaminhe o pedido de análise. O Ministério da Saúde afirma que isso ainda não foi feito. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disse que mudanças na lista de cobertura dos planos de saúde são feitas em revisões periódicas e que a próxima está prevista para daqui a dois anos.

Fonte: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/12/conselho-federal-de-medicina-autoriza-cirurgia-para-diabetes-tipo-2.html

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) alerta população sobre importância de diagnóstico precoce de doenças reumáticas

São mais de 120 doenças reumáticas, que têm a inflamação e dor nas articulações como …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas