Home / Notícias / Desafio saúde: Governo deve investir mais e criar leitos

Desafio saúde: Governo deve investir mais e criar leitos

340x255_hospital-roberto-santos_1451104Ampliar o número de leitos hospitalares, promover a descentralização, investir mais recursos e melhorar a Central de Regulação são algumas das medidas que o próximo governador terá que adotar em relação à Saúde estadual, segundo representantes do setor e especialistas.
Com o cruzamento dos dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) com a população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Bahia tem 2,1 leitos por mil habitantes, abaixo da média nacional, de 2,3. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda entre 3 a 5 leitos por mil habitantes.
Comparando os números de agosto de 2006 com o mesmo mês em 2014, ainda pelo CNES, o número de leitos no Sistema Único de Saúde (SUS) apresentou uma redução de 5,4%. A quantidade de leitos do SUS passou de 26.171 para 24.750. “Tivemos uma perda de mais de 3 mil leitos, sem especificar as especialidades, nos últimos 20 anos”, diz o presidente do Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed), Francisco Magalhães.
Concentração
Além de ter uma quantidade abaixo do padrão estabelecido pela OMS, a Bahia tem uma concentração de leitos. Conforme o Plano Estadual de Saúde 2012-2015, a macrorregião Leste – onde está Salvador – tem 37% dos leitos.
Em seguida, estão as macrorregiões Sul e Centro Leste, com 13,4% e 13,2%, respectivamente. Por fim, as macrorregiões Nordeste, com 3,6%, e a Extremo Sul, com 4,8% do total de leitos.
Representantes da área apontam ainda que a regulação, responsável, entre outras coisas, pela transferência de pacientes entre hospitais, está diretamente ligada à questão dos leitos. “Não se pode regular o que não se tem”, diz Magalhães. O promotor do Ministério Público Estadual Rogério Queiroz, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde, afirma que o médico regulador deve ter reconhecida a autoridade sanitária.
“Muitas vezes você tem uma vaga e a unidade não quer receber o paciente por vários motivos”, afirma.

Mais verba

Especialistas dizem que o ponto central para melhorar a qualidade da saúde baiana passa por um investimento maior e comprometimento com o Sistema Único de Saúde (SUS).
O percentual investido em Saúde pelo governo vem caindo, embora os valores sejam crescentes. A receita líquida de impostos passou de R$ 14 milhões em 2010 para R$ 19,7 milhões em 2013. No entanto, o índice aplicado caiu de 13,77% para 12,28%.
“Infelizmente, os governantes mandam no máximo aquele dinheirinho”, diz Cristina Melo, professora da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia, doutora em Saúde Pública. Ela se refere aos 12% mínimos do setor, que ainda costumam ser mascarados com investimentos em saneamento básico, por exemplo.
Cristina cobra ainda melhor gestão dos recursos, valorização dos profissionais e maior foco nos cuidados primários e preventivos. “Se eu não tenho Atenção Básica, o que vai adiantar aumentar os leitos de UTI?”, questiona.

 

FONTE: http://atarde.uol.com.br/politica/eleicoes/noticias/1626283-desafio-saude-governo-deve-investir-mais-e-criar-leitos

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Mais de 50 mil AVCs podem ser evitados por ano no Brasil – entenda como

Figurando há anos como uma das principais causas de morte no país, o acidente vascular …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas