Home / Notícias / Esclerose Múltipla tem aliado digital como adjuvante no tratamento da doença

Esclerose Múltipla tem aliado digital como adjuvante no tratamento da doença

A ferramenta Cognifit estimula a inclusão digital e promove o desenvolvimento cognitivo de pacientes em diversos estágios da doença, com reconhecimento da comunidade científica internacional
Com o advento das novas tecnologias, os cuidados com a saúde têm ganhado importantes aliados. De acordo com o relatório “mHealth” e “Wearables 2015” (Mobile Ecosystem Forum – organização global de regulação do comércio de aparelhos e serviços mobile), no último ano houve um crescimento na adoção de aplicativos (apps) de saúde e medicina em todo o mundo. Sendo um aumento de 15% e 10%, respectivamente, em relação ao ano anterior. Um exemplo de destaque nesta era digital é o Cognifit, uma ferramenta inteligente utilizada para minimizar alguns dos sintomas da esclerose múltipla (EM) e que pode ser acessada via computador, tablet ou smartphone.
 cognifit
Este é um dispositivo que tem como função principal treinar e estimular os aspectos cognitivos dos indivíduos portadores da doença. Os pacientes têm à disposição jogos que permitem avaliar o estágio do comprometimento da doença e suas habilidades cognitivas. Além disto, eles podem compartilhar os resultados com o seu médico, contribuindo no acompanhamento da esclerose múltipla.
Entre as habilidades estimuladas, estão: memória visual, auditiva, contextual e de trabalho em longo/curto prazo, velocidade de processamento, foco, planejamento, reconhecimento, tempo de resposta, velocidade, atualização, memória não verbal, percepção visual, coordenação olho-mão, inibição, recontextualização, atenção dividida e distância estimada. Todos os exercícios visam aprimorar a cognição. O Cognif é uma tecnologia reconhecida pela comunidade científica e foi amplamente investigada pela área de neurociência com importantes universidades e instituições no mundo, como: University Of Washigton, Florida International University, University of Illinois, Université Paris Descartes, entre outras.
Apesar da doença ainda não ter cura e sua causa ser desconhecida, a esclerose múltipla tem tratamento. De acordo com a Federação Internacional de Esclerose Múltipla existem 2,3 milhões de pessoas com a doença no mundo. Embora este seja um número expressivo, há muitos outros casos não diagnosticados. A entidade afirma que a incidência é duas vezes superior em mulheres. No Brasil, a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla estima que 35 mil pessoas sejam acometidas por este problema.
Quanto antes, o paciente receber o diagnóstico, melhor será a resposta ao tratamento. “Uma das opções terapêuticas é o uso de imunomoduladores, como os interferons beta 1-b, beta 1-a e acetato de glatiramer, que diminuem a intensidade dos surtos e o intervalo entre eles, agindo sobre os mecanismos imunológicos e minimizando a atividade inflamatória. Novos tratamentos como natalizumabe, fingolimode, dimetilfumarato, teriflunomida e alemtuzumabe também foram aprovados pela ANVISA no Brasil. Em paralelo ao tratamento medicamentoso, temos as plataformas digitais que podem favorecer a inserção social destes pacientes. Hoje, a maioria dos acessos à informação é via internet ou utiliza algum mecanismo que se comunique com este ambiente. É cada vez mais comum, os pacientes estarem envolvidos em um universo digital”, destaca a especialista.
O diagnóstico da Esclerose Múltipla é complexo e deve ser feito por especialistas com o objetivo de se estabelecer o melhor manejo terapêutico para cada caso individualmente.
Tratamento comprovado
O estudo BENEFIT, acompanhado ao longo de 11 anos pelos Comitês Americano e Europeu para Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla em Boston, Massachusetts, revela que o tratamento precoce com Betaferon® (betainterferona-1b) diminui os efeitos das complicações motoras e sensitivas dos portadores em estágio inicial.
Site do app: https://www.cognifit.com/br
Itunes: https://itunes.apple.com/us/app/cognifit-brain-fitness/id528285610?mt=8
Fonte: Segs.com

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Mais da metade dos cânceres no Brasil são detectados em fase avançada

O câncer já é a segunda maior causa de mortes no mundo, ficando atrás apenas …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas