Home / Notícias / Hospitais públicos incentivam exame para detectar câncer de mama

Hospitais públicos incentivam exame para detectar câncer de mama

exames_1Este mês é marcado como Outubro Rosa, um movimento mundial para conscientizar a população sobre o câncer de mama. A doença é o segundo tipo de câncer mais frequente entre as brasileiras e leva à morte, por ano, cerca de 12 mil mulheres, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer. Mas, quando detectado de forma precoce, tem 95% de chances de cura.

A rede pública hospitalar do estado do Rio de Janeiro lançou campanha para estimular a prevenção do câncer de mama, e dispõe de nove mamógrafos para os exames, distribuídos entre o Rio Imagem, no centro da capital; o Hospital Estadual dos Lagos, em Saquarema; no Hospital da Mãe, em Mesquita; e no Hospital Estadual da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti – os dois últimos na Baixada Fluminense.

A funcionária pública Solange Campos, de 48 anos, moradora em Nilópolis, faz exame a cada seis meses no Hospital Estadual da Mulher, despertada por um caso em família. “Minha mãe teve câncer de mama e foi um susto. Antes eu não me preocupava muito, mas agora faço sempre. Acho que as mulheres ainda não têm a noção dos riscos da doença, e como é importante se prevenir contra ela”, afirma.

A dona de casa Tânia Rosa da Silva, de 54 anos, vive em Paraty, no litoral sul do estado do Rio, e percorreu 230 quilômetros até o hospital de São João de Meriti para fazer a mamografia. Tânia explica que a viagem foi providenciada pelo hospital de Paraty, que a encaminhou, mas critica o fato de nenhum hospital de sua cidade contar com o mamógrafo. “Tive que sair de casa às 2h da madrugada para estar aqui às 8h. Passei pelo sacrifício porque tive conhecidas que morreram por causa dessa doença, e faço questão de me prevenir para não passar pelo mesmo”, disse.

Médica radiologista do Hospital Estadual da Mulher, Lúcia Helena Góes diz que o câncer de mama é uma doença silenciosa, e ressalta a importância da mamografia para se obter diagnóstico precoce. Segundo ela, “quando surge algum sintoma da doença, como um tumor palpável, o câncer já pode estar em nível avançado. Muitas mulheres já chegam ao hospital assim. Quanto mais cedo for descoberto o tumor, menos invasiva será a cirurgia e menor a chance de morte e de problemas estéticos para a paciente”, explicou.

A médica acredita que o medo de sentir dor durante o exame e a desinformação sobre a gravidade do câncer de mama estão entre as principais causas do diagnóstico tardio. “A mamografia pode ser desconfortável para algumas mulheres, mas é muito importante o diagnóstico precoce, que pode ajudar a salvar muitas vidas. O exame deve se tornar rotina, mas muitas mulheres ainda o deixam de lado, e só o autoexame não é suficiente”, frisou.

Lúcia Helena diz que na unidade em que trabalha os médicos fazem “captação”, recomendando e estimulando as pacientes a fazerem o exame. De acordo com o hospital, que faz cerca de 2 mil mamografias por mês, em torno de 200 (10%) das pacientes são portadoras do câncer de mama.

O Ministério da Saúde recomenda a mamografia a cada dois anos para mulheres de 50 a 69 anos. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, para detectar precocemente a doença, o órgão ampliou a faixa etária para os exames de mamografias em suas unidades próprias, incentivando o exame bienal para mulheres entre 40 e 49 anos. Acima disso, devem fazer exames todos os anos. Para mulheres com histórico familiar de câncer, a recomendação é de acompanhamento médico e exame anual a partir de 35 anos.

 

FONTE: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-10/hospitais-publicos-incentivam-exame-para-detectar-cancer-de-mama

Sobre Priscila Torres

Foto de perfil de Priscila Torres
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Menino aguarda transplante de pulmão morando há seis anos em hospital de Canoas

Desde o primeiro ano de vida, o lar de Bernardo Moreira Loureiro, hoje com 7, …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: