Home / Notícias / Imunidade imatura de bebês facilita o desenvolvimento da bronquiolite
File written by Adobe Photoshop¨ 4.0

Imunidade imatura de bebês facilita o desenvolvimento da bronquiolite

Com sintomas semelhantes aos de um simples resfriado, a bronquiolite, inflamação aguda das vias áreas inferiores, é uma preocupação para os pais de crianças pequenas. A pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Débora Tolaini, explica que o problema é comum ocorrer durante os dois primeiros anos de idade, mas principalmente, em bebês de até seis meses.

A predominância da doença nesta faixa etária tem uma explicação. Segundo a médica, está relacionada à questão da imunidade e do desenvolvimento do pulmão. “A bronquiolite acomete mais os bebês, pois neste período da vida as vias aéreas ainda são muito pequenas e estreitas, a imunidade ainda é imatura e o pulmão está em desenvolvimento”.

Causada pelo vírus Sincicial Respiratório, conhecido como VSR, a doença apresenta sintomas que lembram um resfriado, como espirros, coriza, obstrução nasal e febre. Débora lembra, porém, que em um período de dois a três dias, o problema evolui para um quadro de dificuldade de respiração, com o surgimento do chiado e cansaço.

“Quando a criança apresenta a dificuldade para respirar, ou seja, quando a respiração fica mais rápida e é possível perceber o tórax e a barriga “afundando”, é preciso ficar atento. Outro quadro que merece a atenção dos pais é quando o bebê está sem febre e ainda assim fica “caidinho”. O alerta também deve ser acionado quando há recusa aos alimentos e/ou as mamadas”, explica.

Apesar da preocupação, os hospitais devem ser evitados nesta época do ano. Segundo a pneumologista, o ambiente cheio de crianças com diferentes doenças, sobretudo respiratórias, não é a melhor opção. A alternativa, de acordo com a especialista, é levar ao pediatra e somente quando apresentar os sinais mais graves, optar pelo serviço de pronto-socorro.

Com a inexistência de uma vacina contra ao vírus causador da bronquiolite, a prevenção é feita por pequenas ações no dia a dia. “A principal medida para evitar a transmissão na população é a higienização das mãos. Mas é importante também evitar o contato com pessoas com infecções respiratórias e ir a lugares com aglomerações. Outro fator de risco, é a entrada precoce na creche”, finaliza.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Pacientes oncológicos podem viajar?

Especialista alerta para os cuidados que pacientes que enfrentam câncer devem tomar na hora de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas