Home / Notícias / Movimento Fertilidade

Movimento Fertilidade

O objetivo deste movimento é estimular a discussão sobre o direito à fertilidade em função de inúmeros casais com problemas deinfertilidade que não conseguem tratamento pelos sistemas de saúde, seja o sistema público (SUS) ou através de planos particulares.
O que acontece hoje em nosso país, é que as leis brasileiras reforçam os métodos de contracepção, mas ignoram o fato de  infertilidade ser uma doença. Além dos casais que enfrentam esse problema, médicos especialistas em reprodução assistida são favoráveis à ampliação do acesso aos tratamentos de fertilização, principalmente por parte dos planos de saúde. Em outros países da América Latina, como Argentina e Chile,  por exemplo, as leis garantem que os tratamentos de fertilização sejam cobertos pelos planos de saúde e que também estejam plenamente disponíveis na rede pública.
 De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), um em cada cinco casais (20% da população), apresenta algum tipo de problema que os impossibilita de ter filhos. Esta condição é definida após 12 meses de relações sexuais regulares sem uso de contracepção.
Vários fatores podem ser responsáveis pela infertilidade, tanto masculina quanto feminina: alterações genéticas e disfunções hormonais, são apenas alguns exemplo.  A infertilidade é um problema de saúde reconhecido pela OMS e está listada na Classificação Internacional de Doenças (CID), portanto, deve ser tratada tanto na saúde suplementar quanto no SUS. 
No entanto, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) exclui o tratamento para infertilidade da lista dos atendimentos obrigatórios dos planos de saúde porque alega que a lei 9.656/98 não abrange este procedimento. Porém, a lei 11.935/2009 obriga os planos de saúde a garantirem cobertura para as despesas com os procedimentos médicos indicados nos casos de planejamento familiar.
Já o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece poucas opções de tratamentos gratuitos. A fila de espera pode chegar a cinco anos, o que piora a condição das mulheres com problemas de infertilidade, pois a partir dos 35 anos as chances de gravidez diminuem drasticamente.
Quem tem problemas para engravidar pelas vias normais, e não pode esperar pelo atendimento no SUS, precisa recorrer ao tratamento em clínicas particulares, cujo preço varia de acordo com a complexidade do caso, mas gira em torno de R$ 20 mil para apenas uma tentativa de fertilização, que nem sempre é bem-sucedida. Muitas mulheres precisam recorrer a sucessivas tentativas até conseguir engravidar e passar pela gestação completa – o que representa um grande investimento financeiro, que não está ao alcance da maioria dos casais brasileiros.
Diante deste cenário é que nasceu o “Movimento Fertilidade – Direito de Vida”, para que juntos, possamos fazer valer o direito dos brasileiros com problemas de fertilidade, a gerar vidas, amparados pelos sistemas de saúde, sejam eles públicos ou privados.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Mais de 50 mil AVCs podem ser evitados por ano no Brasil – entenda como

Figurando há anos como uma das principais causas de morte no país, o acidente vascular …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas