Home / Notícias / Saiba porque a queda nos níveis de testosterona compromete a saúde

Saiba porque a queda nos níveis de testosterona compromete a saúde

O declínio hormonal nos homens é, de fato, um dos sinais do envelhecimento, que vem acompanhado de sintomas como a queda no desempenho físico, sexual, depressão etc. Se não houver tratamento, existe o risco de osteoporose. Extrato vegetal é opção eficaz para ajudar a aumentar a sua produção.

Poucas pessoas sabem, mas, com o passar do tempo, os homens também experimentam modificações hormonais significativas, como o declínio de testosterona, com impacto direto na vitalidade, energia, autoestima e até na pele, como ressalta a farmacêutica Luisa Saldanha, diretora científica da Pharmapele. A deficiência da produção do hormônio masculino afeta 15% dos homens entre 50 e 60 anos, chegando a 50%, ou mais, nos homens com 80 anos, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Mas é possível que haja queda desse hormônio na faixa etária entre 30 e 40 anos, com diminuição a partir de 1% ao ano, dependendo do quadro.

Dr. Antonio Mesquita Junior, endocrinologista do Recife, explica que a deficiência de testosterona pode se manifestar clinicamente por diversos sintomas, desde sexuais até situações que envolvem o estado físico, neural e desempenho mental. “Também podemos observar sintomas psicológicos [depressão, ansiedade, irritabilidade, flutuação de humor, dificuldade de concentração, queda de autoestima e autoconfiança]. É muito importante buscar tratamento, pois esse declínio prejudica a vida sexual, por haver diminuição da libido e capacidade de ter ereções”, afirma.

O especialista ressalta que a diminuição do hormônio também provoca redução da massa e força muscular do homem. ” Ao mesmo tempo, existe a tendência de acúmulo de gordura na região abdominal. Além disso, a deficiência de testosterona sem tratamento pode levar à osteoporose de origem hormonal de forma precoce”, alerta. Esse quadro ocorre por causa, justamente, dessa perda de massa óssea.

Como aumentar os níveis?
De acordo com o dermatologista, alguns hábitos ajudam a aumentar a produção adrogênica, como manter qualidade de sono, alimentação balanceada e rica em raízes, além de musculação e exercícios físicos frequentes. “Também enfatizo a importância da atividade sexual regular, pois estimula bastante as gônadas [glândulas que produzem hormônios sexuais]”, complementa. E aliado a essas práticas, o especialista ressalta a importância e necessidade de utilizar ativos com componentes que auxiliam a elevação do nível da testosterona livre.

Para contornar esse quadro, a rede Pharmapele disponibiliza o Testofen®, um extrato vegetal proveniente das sementes de feno-grego (planta medicinal), padronizado em 50% de saponinas (ajuda no aumento de produção hormonal). “O produto apresenta resultados significativos, comprovados cientificamente”, destaca a diretora científica da marca. O endocrinologista também concorda que o extrato vegetal pode ser incluído nas indicações e tratamentos para reverter esse declínio hormonal, pois contribui para otimização do índice de testosterona livre no organismo.

Estudos com 60 voluntários, que utilizaram o Testofen®, atestaram o aumento em 100% nos níveis do hormônio e sem efeitos colaterais, de acordo com artigos científicos publicados pelo Journal of Sport and Health Science. O estudo também verificou aumento quanto à massa muscular e substituição da gordura corporal por massa magra. Os participantes utilizaram o produto durante oito semanas.

Fonte: Maxpress

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Estimativa de 600 mil novos casos de câncer no Brasil alerta para a importância de práticas saudáveis

As estimativas de incidência de câncer no Brasil são alarmantes. Dados divulgados recentemente pelo Instituto …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas