Home / Notícias / Saúde: a história da vigilância sanitária no país

Saúde: a história da vigilância sanitária no país

Neste sábado (5), foram celebrados o Dia Nacional da Saúde e o Dia Nacional da Vigilância Sanitária. A data foi escolhida por ser aniversário de nascimento de Oswaldo Cruz, cientista, médico, bacteriologista, epidemiologista e um dos maiores sanitarista brasileiros.

As atividades de cuidados sanitários no Brasil surgiram com a propagação de doenças transmissíveis nos agrupamentos urbanos, pois a população aumentava e o saneamento básico não acompanhava esse crescimento.

Confira o contexto histórico em que ocorreu a evolução da atenção à vigilância sanitária no País:

Brasil Colônia

A exploração do período não abria espaço para preocupação com as questões sanitárias. Em 1789, havia no Rio de Janeiro apenas quatro médicos. Os pajés e os chamados boticários eram as opções de assistência.

Sede do Império

Com a chegada dos portugueses, em 1808, iniciou-se o controle sanitário dos produtos que seriam consumidos e dos estabelecimentos comerciais, o combate à propagação de doenças e a fiscalização do exercício profissional na área da saúde.

Quando D. João VI assinou em Salvador (BA), a capital brasileira, a carta régia que “abriu os portos às nações amigas”, foi imposto um controle sanitário mais efetivo dos portos, dos navios e dos passageiros.

Brasil Império

Entre os marcos para o setor está a Reforma Sanitária de 1828. Naquele ano, foram transferidas as ações de saúde para os municípios (municipalização). Já em 1860, a nova capital, Rio de Janeiro, ganhou a Estação de Tratamento de Esgoto.

República Velha

A criação da Polícia Sanitária trouxe o início da organização das administrações sanitárias estaduais. Os agentes fiscalizavam o exercício de atividades profissionais, embarcações, cemitérios e áreas de venda de alimentos. A vigilância sanitária no  período era fiscalizada dividindo-se a responsabilidade sobre terras e litoral. Contudo, varíola, febre amarela e outras doenças se alastravam.

Para combater inúmeros problemas de saúde pública nas ruas e cortiços de 1902, foi nomeado o médico sanitarista Oswaldo Cruz como diretor-geral de Saúde Pública. Em sua gestão, houve até mesmo incentivo financeiro para caça aos ratos, além de brigadas de mata-mosquitos, resultando na extinção da febre amarela em 1906.

Outro destaque desse período foi a criação, por decreto de 1923, do Departamento Nacional de Saúde Pública.

República

Em 1937, o Ministério da Saúde, que na Era Vargas estava unido à Educação, ganhou autonomia. Na década de 1960, o decreto regulamentou o Código Nacional de Saúde, que atribuiu competência à pasta para estabelecer normas gerais sobre defesa e proteção da saúde, além da regulamentação de alimentos.

Governo Militar

O Ministério da Saúde foi reestruturado em 1976. Foi criada a Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária com divisões voltadas para a vigilância de Portos, Aeroportos e Fronteiras (Dipaf), Medicamentos (Dimed), Alimentos (Dinal), Saneantes e Domissanitários (Disad), Cosméticos e Produtos de Higiene (Dicop).

Nova República

A Constituição de 1988, somada ao Código de Defesa do Consumidor e à Lei Orgânica da Saúde, ambos de 1990, trouxeram o reconhecimento do papel do Estado no contexto da saúde e reforçaram a proteção e defesa pelo bem-estar. A Vigilância Sanitária foi incluída como campo de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS) por essa lei orgânica.

Anvisa

A Lei 9.782, de 26 de janeiro de 1999, definiu o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, criou a Anvisa e definiu suas áreas de atuação.

Atualmente, o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) é composto pela Anvisa, pelo Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Centros de Vigilância Sanitária Estaduais, do Distrito Federal e Municipais (Visas), Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacens), Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Conselhos Estaduais, Distrital e Municipais de Saúde. Todos os órgãos estão vinculados diretamente ou indiretamente ao Ministério da Saúde. Com informações do Portal Brasil.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/brasil/425644/saude-a-historia-da-vigilancia-sanitaria-no-pais

Sobre Priscila Torres

mm

O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR.
Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social “Jornalismo” na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Conselho Federal de Medicina agiliza diagnóstico de morte encefálica

Os critérios para diagnóstico de morte encefálica foram alterados nesta terça-feira, 12, pelo Conselho Federal …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas