Home / Notícias / Smartphones e seu novo papel na medicina

Smartphones e seu novo papel na medicina

Uma empresa israelense criou um aplicativo que faz exames clínicos, acompanha a evolução de doenças e controla enfermidades crônicas com grande rigor técnico

Das milhares de fotos compartilhadas online todos os dias, quais retratam com mais fidelidade os objetos fotografados?  O hashtag #nofilter sugeriria que são as que não sofrem alteração digital. Mas fotografias do mesmo tema ou objeto divergem muito, por causa da luz ambiente, da distância e do ângulo de onde foram tiradas. Assim, com a manipulação correta uma imagem fotográfica pode ficar mais fiel ao objeto retratado e, portanto, mais útil para fins médicos.

Essa é a ideia por trás do aplicativo Dip.io da empresa israelense Healthy.io. O Dip.io usa câmeras de celulares para fazer exames clínicos de urina. O paciente segue as instruções, espera as cores aparecerem na vareta e, em seguida, fotografa as cores contra o fundo de uma cartela de cores patenteada. O aplicativo usa a cartela para corrigir as cores da vareta em uma luz ambiente neutra e padronizada. O resultado é analisado automaticamente, segundo o histórico médico do paciente. Se o exame sugerir que o paciente precisa de cuidados médicos ou de uma receita, essas providências são tomadas também de forma automática.

O uso do Dip.io não se limita ao exame de urina. Seu uso pode estender-se ao campo da dermatologia para diagnosticar uma doença de pele a partir de uma foto, ou acompanhar sua evolução ao longo do tempo. Os dermatologistas precisam controlar a cor da fotografia, seu tamanho e o ângulo de onde foi tirada. No exame dermatológico, o aplicativo usa uma vareta de gesso com hexágonos coloridos que é colocada perto da pele. Assim como na cartela de cores do exame de urina, o gesso atua como uma referência para que o aplicativo corrija e padronize a imagem resultante.

Fonte: http://opiniaoenoticia.com.br/internacional/smartphones-e-seu-novo-papel-na-medicina/

 

Sobre Priscila Torres

mm

O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR.
Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social “Jornalismo” na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Conselho Federal de Medicina agiliza diagnóstico de morte encefálica

Os critérios para diagnóstico de morte encefálica foram alterados nesta terça-feira, 12, pelo Conselho Federal …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas