Home / Notícias / Sociedade de diabetes reclama da falta de drogas mais modernas no SUS

Sociedade de diabetes reclama da falta de drogas mais modernas no SUS

susA Sociedade Brasileira de Diabetes critica a decisão do Ministério da Saúde, publicada neste mês, de não incorporar na rede pública a oferta de uma categoria mais moderna de insulina usada no controle da diabetes tipo 1.

Esse tipo de diabetes costuma ter diagnóstico na fase da infância e adolescência.

O foco da queixa da entidade é a rejeição, pela Conitec (comissão da Saúde que chancela novas tecnologias no SUS), da oferta da insulina análoga rápida.

A entidade defende que esse tipo de insulina melhora o controle do açúcar no sangue e é mais seguro porque reduz a chance de episódios graves de hipoglicemia.

Segundo Walter Minicucci, presidente da sociedade, a insulina análoga age de maneira mais rápida que a insulina regular ofertada pelo SUS -começa a funcionar entre 10 e 15 minutos em vez de levar de 30 minutos a 1 hora.

O médico diz que a sociedade defendeu, junto ao governo, a oferta da insulina mais moderna para pelo menos três grupos: crianças de até 13 anos, grávidas que têm diabetes e pacientes com hipoglicemia que não têm sintomas. “Pedimos o mínimo necessário, mas o governo brasileiro optou por dar um tratamento de segunda linha para os diabéticos.”

Em seu parecer, a Conitec estima um custo de R$ 772 milhões para a oferta da insulina análoga rápida para 100% dos pacientes (cerca de 600 mil pessoas) durante cinco anos. Isso representa, segundo o próprio relatório, pouco mais que o dobro gasto com o medicamento hoje ofertado.

Procurado, o Ministério da Saúde afirmou que o tratamento disponível “atende plenamente aos pacientes”.

“Nenhum estudo aponta que as insulinas análogas são superiores nem demonstra que elas melhoram a sobrevida dos pacientes. Além disso, por ser um produto mais recente, encontra-se sob vigilância de pós-comercialização, não tendo segurança de longo prazo comprovada”, disse a pasta via uma nota.
FONTE: Folha de S. Paulo

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Estimativa de 600 mil novos casos de câncer no Brasil alerta para a importância de práticas saudáveis

As estimativas de incidência de câncer no Brasil são alarmantes. Dados divulgados recentemente pelo Instituto …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas