Home / Notícias / Terapias orais modificadoras para esclerose múltipla estão cada vez mais em pauta

Terapias orais modificadoras para esclerose múltipla estão cada vez mais em pauta

noticia 2108Uma pesquisa com 97 neurologistas realizada em junho de 2015 revelou que os especialistas no campo da neurologia estão cada vez mais evitando a prescrição de injetáveis ​​para pessoas que sofrem de esclerose múltipla, enquanto os agentes modificadores orais tem ganhado popularidade.

A pesquisa foi realizada e relatada pela Spherix globais Insights, uma empresa de inteligência de negócios e pesquisa de mercado recém-criada com sede em Zug, Suíça, e escritórios nos Estados Unidos e em Cambridge. A missão da empresa é aplicar a experiência comercial e de relações únicas dentro dos mercados especializados fundamentais para traduzir dados em percepções, permitindo que seus clientes tomem decisões de negócios mais inteligentes. Através de seu dinamismo de tempo real e da larga escala de serviços de pesquisa de mercado primário, Spherix foi capaz de identificar que uma maioria de ambos os grupos (médicos e pacientes) tem achado que o tratamento “com medicamento oral tem sido positivo, o que é um bom augúrio para outros produtos sob este método de tratamento.

Andrew Deslaurier, da Neurology, afirma que: “O mercado de medicamentos para EM é altamente dinâmico, com mais de dez terapias orais atualmente disponíveis e tendo aumentado a alternância entre as marcas de medicamentos orais. Além disso, estamos evoluindo atitudes em torno das preocupações «com segurança» e da promoção pesada destinada a médicos e pacientes, e isto fez com que o ambiente competitivo se tornasse cada vez mais complexo”.

Mesmo que o Tecfidera da Biogen e o Gilenya da Novartis tenham ganhando popularidade como medicamentos de primeira linha para tratamento oral da esclerose múltipla, nem todos os tratamentos não-orais foram atendidos com a mesma recepção no mercado da EM. Hoje, o Plegridy da Biogen continua sendo a única opção injetável que mostrou taxa de crescimento positiva na pesquisa, de forma constante ganhando novos pacientes que transitam do seu produto predecessor, Avonex. Enquanto isso, outros injetáveis ​​estão lutando para permanecer relevantes na competição contra mais marcas estabelecidas, cada um com sua própria história de pontos favoráveis.

Um equilíbrio chave buscado por desenvolvedores de novas drogas, médicos e pacientes que vivem com EM está em encontrar uma terapia que seja tão conveniente no modo de aplicação/posologia, quanto na modificação do curso da doença. O desafio para o desenvolvimento de drogas tem sido o de fazer avançar várias terapias para esclerose disponíveis na forma oral, de modo que elas possam coincidir com a eficácia dos injetáveis ​​e também tornar a adesão do paciente menos invasiva. Como os medicamentos oralmente disponíveis continuam a melhorar, talvez seja provável que haja um lento aumento do afastamento dos injetáveis, por ser o tratamento oral mais fácil para os pacientes de EM.

Outra notícia recente no Mundo da EM é de que a Axim Biotechnologies Inc., uma empresa de biotecnologia focada em pesquisa global, desenvolvimento e produção de produtos farmacêuticos, nutracêuticos, alimentos e produtos cosméticos à base de cânhamo industrial, anunciou o início do desenvolvimento clínico de sua goma de mascar líder farmacêutica patenteada , MedChew RX, com o registo de uma droga para aliviar a dor e/ou espasticidade em pacientes que sofrem de com esclerose múltipla (EM).

Uma vez que as aprovações da FDA (Food and Drug Administration) e a da Agência Europeia de Medicamentos sejam concedidas, a MedChew RX, que é formulado com 5 mg de canabinóides, derivados de cânhamo canabidiol (CBD) e tetra-hidrocanabinol (THC), respectivamente, vai ser comercializada como um medicamento farmacêutico para o tratamento complementar dos sintomas da EM.

Fonte: AME Amigos Múltiplos

Sobre Priscila Torres

mm

O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR.
Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social “Jornalismo” na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Conselho Federal de Medicina agiliza diagnóstico de morte encefálica

Os critérios para diagnóstico de morte encefálica foram alterados nesta terça-feira, 12, pelo Conselho Federal …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas