Home / Encontro 2013 / A Vida com Esclerose Múltipla

A Vida com Esclerose Múltipla

O blog A Vida com Esclerose Múltipla está inscrito no I Encontro Nacional de Blogueiros e Ativistas em Redes Sociais da Saúde!
A vida com esclerose múltipla

Um cantinho para dividir experiências sobre a minha companheira diária, a esclerose múltipla com uma grande diversidade de assuntos com muito bom humor.

Conheça um dos artigos publicados pelo blog:

“Será o fim das picadas?”
Oi gente tudo bem? E aí o que acharam das novidades do nosso cantinho? Espero que vocês tenham gostado, fiquem a vontade para criticar.

Bem, voltando a semana de conscientização da esclerose múltipla e continuando no assunto prometedor para nós que vivemos com nossa amiga e companheira diária; Os novos tratamentos.

O próximo medicamento que vou colocar algumas informações, foi uma revolução no tratamento para pacientes com esclerose múltipla por ele ser via oral. Para todos nós que um dia tomou uma picadinha mais dolorida, sempre sonhou transformar aquelas seringas em comprimidos. Pois bem, isso já é possível com o conhecido e já utilizado por alguns pacientes o Fingolimode, o popular Gilenya.
O medicamento foi premiado como “medicamento inovador do ano” na Itália. Gilenya (fingolimode), da Novartis, é o primeiro tratamento oral para Esclerose Múltipla, recebeu o prêmio italiano Prix Galien 2012 por ser administrado oralmente. Gilenya facilita a adesão ao tratamento e, consequentemente, propõe uma melhoria na qualidade de vida das pessoas com EM. Em estudos, o medicamento demonstrou também eficácia em 52% superior na diminuição dos surtos provocados pela doença, em comparação a um dos tratamentos mais utilizados atualmente.
Desde o seu lançamento mundial, mais de 49 mil pacientes já foram tratados com fingolimode. O medicamento foi aprovado na Europa em 2011 e está disponível no mercado brasileiro e em diversos outros países, como Estados Unidos, Canadá, Rússia, Austrália, Argentina, Chile e México.
O Gilenya destina-se ao tratamento da esclerose múltipla com surto-remissão muito ativa em pacientes que não responderam a um ciclo completo e adequado de interferon ou em pacientes com esclerose múltipla com surto-remissiva mais ativa grave em rápida evolução. Mais de 30.000 pacientes já foram tratados com Gilenya em todo o mundo. No Brasil, este medicamento tem sido utilizado apenas por Autorização judicial.
Como o remédio pode desacelerar temporariamente o ritmo cardíaco mesmo que o coração volte à normalidade após algumas horas, a agência europeia aconselhou os médicos a intensificar o monitoramento cardiovascular logo após a primeira dose. Antes de iniciar o tratamento é indicado aos médicos pedir aos seus pacientes a realização de um electrocardiograma (ECG) o monitoramento contínuo da função cardíaca por ECG, durante as seis horas após a primeira dose; A medição da pressão arterial e frequência cardíaca, hora a hora, durante o período de monitoramento de seis horas; Prolongando o período de acompanhamento e monitoramento de todos os pacientes que apresentarem problemas cardíacos clinicamente relevantes, tais como bradicardia ou bloqueio auriculoventricular, até que se verifiquem melhorias. Aos pacientes recomenda-se Informar ao médico quaisquer sintomas que possam sugerir um problema cardíaco, tais como, dores no peito, fraqueza ou tonturas; O médico deverá ser consultado para esclarecimento de dúvidas.
Além da praticidade e da melhoria na qualidade de vida do paciente, o Gilenya foi o único que mostrou eficiência, desde o início, para barrar o processo de perda da massa cinzenta que pode acarretar a atrofia cerebral e aumentar as incapacidades ao longo do tempo, assim como benefício nos sintomas de perda de memória e capacidades cerebrais, ligados à severidade da doença.
Além de todas essas informações que foram publicadas, os médicos estão muito entusiasmados com os resultados de pacientes que já estão usando o fingolimode, a princípio naqueles que não respondem aos tratamentos convencionais com interferons ou acetato de glatirâmer e agora para os pacientes que estão tendo algum problema com os efeitos colaterais desses medicamentos.
Esse é o medicamento dos sonhos da turma dos esclerosados, afinal nada de picadas, de hematomas, de dores. Conheço 2 pacientes que estão usando o Gilenya e não tiveram nenhuma reação. 
Isso é maravilhoso!!! 
Bem gente, hoje vou ficando por aqui!
Fiquem bem e tenham ótimo dia!
Beijos e até a próxima…

Sobre Priscila Torres

mm

O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR.
Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social “Jornalismo” na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

O que você precisa saber sobre “Avaliação de Tecnologias em Saúde”

Palestra proferida pelo Dr. Otávio Clark, da Evidência Credibilidade Cientifica, no I Encontro Nacional de …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas