Home / Notícias / amfAR discute os avanços das pesquisas para cura da Aids em evento na USP

amfAR discute os avanços das pesquisas para cura da Aids em evento na USP

A amfAR, Fundação para Pesquisa da AIDS, realizou a “Pesquisa da Cura do HIV: Uma Conversa com a Comunidade” na terça-feira (10), na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), juntamente com o 13º Curso Avançado de Patogênese do HIV. Pesquisadores nacionais e internacionais, estudantes de medicina, além de ativistas e membros da comunidade discutiram o avanço das pesquisas para a cura da doença.

“Nós queremos saber o que vocês pensam sobre as pesquisas da cura do HIV. Qual a importância que a cura desta doença teria para a sociedade? ”, indaga Rowena Johnston, vice-presidente e diretora de pesquisas da amfAR, na abertura do debate realizado no anfiteatro da FMUSP. Com um resumo das pesquisas até o momento, Rowena apresentou algumas das descobertas e os desafios enfrentados no avanço dos estudos clínicos para encontrar a cura.

Os participantes comemoraram, de um lado, a possibilidade de se prevenir a infecção com estratégias adicionais ao uso de preservativos, como a PrEP (profilaxia pré-exposição), adotada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a partir deste ano, e de outro lado, lamentaram o estigma da doença e a dupla discriminação sofrida pelos homossexuais soropositivos.

“O comportamento sexual não pode servir de desculpa para não se continuar buscando a cura da Aids,” enfatiza a Dra Johnston. A afirmação foi endossada pelos pesquisadores presentes no debate, como o Dr. Brad Jones, professor da Universidade George Washington: “nosso grupo de pesquisadores enxergam o desafio de cura do HIV como um ideal científico e social.”

A discussão contou, ainda, com os depoimentos do professor Esper Kallas, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia da FMUSP e pesquisador na área de HIV/Aids, e de outros pesquisadores internacionais, incluindo Steven Deeks, professor da Universidade de Medicina da Califórnia, São Francisco, e e Lishomwa Ndhlovu, professor da Faculdade John A. Burns da Universidade de Medicina do Hawaii.

Steven Deeks, que também é um dos pesquisadores do Instituto amfAR para a Pesquisa da Cura do HIV, acredita que pacientes soropositivos querem a cura completa da Aids para que eles possam ter uma vida normal, sem o estigma de ser portador do vírus do HIV. “Esse é o objetivo, mas será que é viável?”, questiona Deeks. “Eu sou um grande fã de começar com o que é possível. Por isso, acredito que primeiro precisamos chegar na remissão, e no caminho até lá, descobrir a cura, pois um está ligado ao outro”, diz o especialista.

Cerca de 37 milhões de pessoas vivem com o HIV hoje, no mundo. De acordo com o Ministério da Saúde, foram identificadas 882 mil pessoas infectadas com o vírus no período de 1980 a 2017, no Brasil. Nos últimos cinco anos, o País tem registrado uma média de 40 mil novos casos anualmente.

Sobre a amfAR

A amfAR, Fundação para a Pesquisa da AIDS, é uma das principais organizações sem fins lucrativos do mundo dedicadas ao apoio de pesquisa da AIDS, prevenção do HIV, educação para o tratamento e defesa de políticas públicas relacionadas à AIDS. Desde 1985, a amfAR investiu mais de US$ 517 milhões em seus programas e concedeu mais de 3.300 subsídios para equipes de pesquisa em todo o mundo.

Entre muitas realizações, a amfAR apoiou os primeiros estudos que contribuíram para o desenvolvimento de várias classes de medicamentos anti-HIV que permitem às pessoas com HIV/AIDS a terem vidas mais longas e mais saudáveis. A amfAR também apoiou a investigação preliminar que levou ao uso de drogas anti-retrovirais para prevenir a transmissão do HIV entre mãe e filho. Como resultado, essa transmissão foi praticamente eliminada em muitas partes do mundo.

Uma das primeiras e mais respeitadas instituições defensoras das pessoas que vivem com HIV/AIDS, a amfAR liderou os esforços fundamentais para assegurar a aprovação da principal legislação que formou a base da resposta dos EUA à AIDS por mais de duas décadas, incluindo a lei Ryan White CARE.

Contagem Regressiva para a Cura da AIDS da amfAR

É uma iniciativa de investigação destinada a desenvolver a base científica para a cura até o final de 2020. Lançada em fevereiro de 2014, a contagem visa intensificar o programa de pesquisa focado na cura do HIV por meio de investimentos de US$ 100 milhões. Em apenas 24 meses, a Contagem Regressiva para a Cura da AIDS da amfAR apoiou 139 pesquisadores principais e equipes em 16 estados dos Estados Unidos e em outros 9 países.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Nível de confiança em saúde depende de transparência do setor, afirma especialista

Conhecimento maior do funcionamento do sistema de saúde brasileiro pode ser solução para mudar cenário …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas