Home / Notícias / É oficial: um novo órgão humano foi classificado

É oficial: um novo órgão humano foi classificado

O órgão já havia sido descoberto há um tempo, mas sua função ainda é pouco conhecida. Chamado de mesentério, ele é uma dobra membranosa que liga os outros órgãos à parede do corpo. Até agora, acreditava-se que ele era fragmentado, formado por estruturas separadas. Mas uma pesquisa recente mostra que na verdade ele é um órgão contínuo.

A sua reclassificação foi publicada na revista The Lancet Gastroenterology & Hepatology.

“No artigo, que já foi revisado por pares e avaliado, afirmamos que temos um órgão no corpo que não havia sido reconhecido como tal até agora”, diz o pesquisador J. Calving Coffey, do Hospital Universitário Limerick (Irlanda).

“A descrição anatômica que existe há cem anos estava incorreta. O órgão está longe de ser fragmentado. É simplesmente uma estrutura contínua”, argumenta ele.

A série de livros médicos mais conhecida no mundo todo, Gray’s Anatomy, acaba de ser atualizada para incluir a nova definição.

Mas afinal de contas, o que ele é?

O mesentério é uma dobra do peritônio, o revestimento da cavidade abdominal – que sustenta o nosso intestino à parede abdominal, e mantém os órgãos no local correto.

No último século, ele foi considerado uma estrutura formada de seções separadas, tornando-o menos importante. Mas em 2012 Coffey e sua equipe mostraram exames microscópicos detalhados que provam que o mesentério é na verdade uma estrutura contínua.

Entre 2012 e 2016, eles reuniram evidências de que o mesentério deveria ser classificado como um órgão distinto, e este último artigo recém-publicado torna a classificação oficial.

O que isso muda na medicina?

“Quando o encaramos como qualquer outro órgão, podemos categorizar doenças abdominais em termos desse órgão”, explica Coffey. Isso significa que estudantes e pesquisadores podem investigar seu papel nas doenças abdominais.

“Agora estabelecemos anatomia e estrutura ao órgão. O próximo passo é a função. Se você entende a função, você pode identificar uma função anormal, e aí você tem a doença. Junte tudo isso e você tem um campo de ciência mesentérica, uma base para uma nova área da ciência”.

Fonte: Science Alert

 

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Mais de 50 mil AVCs podem ser evitados por ano no Brasil – entenda como

Figurando há anos como uma das principais causas de morte no país, o acidente vascular …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas