Home / Blogueiros de Esclerose Múltipla / Esclerose Múltipla – A visão de um paciente

Esclerose Múltipla – A visão de um paciente

Gustavo San Martin, convive com esclerose, administrador de empresas pela FAAP, fundador da AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose Múltipla. Foto: Dalila Ferreira
Gustavo San Martin, convive com esclerose, administrador de empresas pela FAAP, fundador da AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose Múltipla. Foto: Dalila Ferreira

“Nada é tão importante quanto o paciente saber o que é a doença. Conhecer os seus direitos, saber como agir. A sociedade não entende o que é esclerose múltipla, e isso dificulta nossas relações, diagnósticos e tratamentos”, explica Gustavo San Martin, que convive com Esclerose Múltipla e é fundador da AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose Múltipla.

Além de abordar os custos sociais da doença, Gustavo foi um dos moderadores do I Encontro Nacional de Blogueiros de Esclerose Múltipla, organizado pelo site Blogueiros da Saúde em parceria com a AME e com a ABEM – Associação Brasileira de Esclerose Múltipla.

Em sua fala, ele reforçou que infelizmente, existe uma ótica um tanto equivocada acerca da patologia, que apresenta muitas vezes mais a doença do que os sintomas. Contudo, é importante saber mais sobre o assunto e manter uma boa relação com o médico para identificar os sintomas. Uma das maiores dificuldades relatadas por pacientes com Esclerose Múltipla é a dificuldade em falar sobre sua condição médica.“Quanto mais se sabe sobre a esclerose múltipla, melhor se convive com a ela”.

O diagnóstico precoce de E.M. pode impedir um menor grau de dano neural. Pacientes diagnosticados tardiamente já apresentam algum tipo de incapacidade neurológica, o que afeta diretamente a sua vida – as atividades profissionais, estudantis, o relacionamento pessoal e familiar.

Conheça: www.facebook.com/amigosmultiplos
Assista à palestra completa:

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Boehringer Ingelheim lança medicamento inédito para doença rara e revoluciona panorama de tratamento da Fibrose Pulmonar Idiopática

Boehringer Ingelheim lança medicamento inédito para doença rara e revoluciona panorama de tratamento da Fibrose Pulmonar Idiopática OFEV® (nintedanibe) chega ao Brasil para pacientes com fibrose pulmonar idiopática após estudos demonstrarem redução na progressão da doença em até 50%[ Os pacientes com essa doença pulmonar rara e fatal, que até então não dispunham de alternativas, passam a contar com uma esperança que desacelera a velocidade de progressão da doença em 50%¹. OFEV® é o único medicamento comprovadamente capaz de reduzir as crises de piora súbita, chamadas exacerbações1 – responsáveis pelo falecimento de mais de 60% dos pacientes com FPI que são hospitalizados. Estima-se que a doença atinja de 14 a 43 em cada 100.000 pessoas no mundo, afetando mais homens que mulheres. Quanto aos dados de prevalência no Brasil, Dr. Adalberto Rubin, pneumologista da Santa Casa de Porto Alegre (RS) e um dos maiores especialistas do país, explica que “ainda não existe um levantamento epidemiológico de precisão, mas considerando os padrões globais e comparando com a população brasileira, estima-se que a prevalência da doença no país seja de 13 a 18.000 pessoas, mas é importante ressaltar que a taxa de diagnósticos é extremamente baixa”. Embora as causas da FPI não tenham sido completamente esclarecidas, evidências apontam para um aumento descontrolado das células que causam cicatrização (fibrose) no pulmão. OFEV® tem como princípio ativo uma molécula inibidora, chamada nintedanibe. Seu mecanismo de ação inovador impede a multiplicação das células que causam as cicatrizes (fibrose) no tecido pulmonar, diminuindo assim a velocidade de progressão da doença. Em relação ao tratamento de FPI, essa questão é prioritária para 88% dos especialistas brasileiros, segundo pesquisa global com pneumologistas. “A fibrose pulmonar idiopática não tem causa conhecida e não tem cura, por isso a classe médica reconhece a importância da possibilidade de desacelerar o avanço da doença. Retardar a perda de função pulmonar é nossa prioridade e o nintedanibe é considerado uma mudança no panorama do tratamento justamente por isso”, pondera o Dr. Adalberto. Luca Richeldi, Professor de Medicina Respiratória da Universidade de Southampton (Reino Unido) e especialista internacional em FPI, liderou as pesquisas sobre o medicamento e comenta: “Os pacientes, após receberem o dignóstico de FPI têm, em média, 3 anos de vida3– um tempo menor do que muitos tipos de cânceres, como mama e próstata. Após uma série de resultados de estudos desanimadores com vários outros medicamentos, finalmente mostramos que nintedanibe é seguro e eficaz para pacientes com fibrose pulmonar idiopática”. Segundo o especialista, a posologia indicada de nintedanibe para o tratamento de fibrose pulmonar idiopática é de uma cápsula de 150mg via oral duas vezes ao dia. A segurança e eficácia de nintedanibe a longo prazo também foram estudadas e Richeldi destaca como a medicação demonstra ser segura e ter uma eficácia sustentada mesmo após 2 anos de uso. Saiba mais no blog!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas