Home / Notícias / Hábitos saudáveis e informação reduzem risco de AVC e podem salvar vidas

Hábitos saudáveis e informação reduzem risco de AVC e podem salvar vidas

No dia 29 de outubro ajude a prevenir a segunda maior causa de morte e a primeira causa de incapacidade do País. Não seja uma estatística.

Um dos lados do corpo começa a perder força e sensibilidade. A boca fica torta e é difícil falar ou pensar normalmente. Esses são alguns dos sintomas mais comuns de um AVC, o Acidente Vascular Cerebral, que acontece quando algum vaso sanguíneo do cérebro entope ou se rompe. Dia 29 de outubro é o Dia Mundial do AVC e o Hospital Brasília adere à campanha, que será realizada no mundo inteiro, para conscientizar o público sobre a doença e informar sobre prevenção e tratamento.

O AVC é grave e comum: no Brasil, é a segunda maior causa de morte e a primeira de incapacidade, tirando cerca de 100 mil vidas todos os anos. A cada seis segundos, independentemente da idade ou sexo, alguém, em algum lugar, morre de um acidente vascular cerebral (AVC).

No entanto, é importante lembrar que cerca de 90% dos casos estão ligados a fatores de risco controláveis. Segundo a neurologista Letícia Rebello, do Hospital Brasília, “é possível diminuir drasticamente as chances de sofrer um AVC ao adotar um estilo de vida saudável, controlando a pressão arterial, o diabetes e o peso, fazendo exercícios físicos, reduzindo o colesterol, o consumo de álcool e evitando o tabagismo”.

A neurologista explica que existem dois tipos de acidente vascular cerebral: “O mais comum é o isquêmico, que ocorre em cerca de 85% dos casos. Ele surge quando um vaso sanguíneo é obstruído por um coágulo, por exemplo. Com o fluxo de sangue interrompido, a região do cérebro que era dependente desse vaso começa a morrer. Estima-se que 120 milhões de neurônios sejam destruídos por hora durante um acidente vascular cerebral, o que equivale a 3,6 anos de envelhecimento natural. O segundo tipo é o AVC hemorrágico, que ocorre quando um vaso se rompe e o sangue extravasa pelo cérebro”, explica. Esta condição ocorre em cerca de 15% dos casos e tem a tendência de ser mais preocupante, porque seus sintomas progridem mais rapidamente e podem levar à morte ou sequelas graves.

“É extremamente importante buscar ajuda médica nas primeiras horas do aparecimento dos sintomas”, alerta Letícia Rebello. “Quanto maior a demora, maiores os danos causados pelo AVC. O ideal é chamar uma ambulância e não tentar chegar ao hospital de carro ou ônibus, uma vez que o tempo é fundamental no atendimento e recuperação”, completa.

Família e amigos são personagens essenciais na percepção dos primeiros sintomas, para retratá-los de forma correta no momento do atendimento médico. Além disso, é fundamental a informação do horário de início dos sintomas. Para ajudar a entender o AVC e a diminuir os números assustadores, o Hospital Brasília lança a campanha “Não seja uma estatística”, que contém vídeos explicativos na web e material informativo sobre os primeiros sinais de alerta, resumidos em 3F´s e 1 T:

F de face: Peça à pessoa para sorrir. O rosto está paralisado de um lado?

F de força no braço: Peça à pessoa para elevar os braços. Algum deles está dormente?

F de fala: Peça à pessoa para repetir uma frase simples. A voz está enrolada? A pessoa consegue repetir as palavras, ou é difícil de entender?

T de tempo: Hora de chamar o SAMU: Se a pessoa tiver um destes sintomas o tempo é fundamental. Ligue 192 para a pessoa ser transportada para o hospital o mais rapidamente possível.

Para conhecer mais sobre a campanha do Hospital Brasília, clique aqui: http://www.facebook.com/HospitalBrasilia/

A equipe de Neurologia do Hospital Brasília faz parte da Rede Brasil AVC. Mais informações sobre a doença e sobre o Dia Mundial do AVC 2018, você pode encontrar no site da organização – http://www.redebrasilavc.org.br/
Inaugurado em 1987, o Hospital Brasília é referência no Centro-Oeste em medicina de alta complexidade e atendimento humanizado de pacientes. É o único hospital privado do Distrito Federal com credenciamento do Ministério da Saúde para realizar transplante hepático, além do autólogo de medula óssea e transplante renal. Possui a certificação nacional de excelência ONA e a certificação internacional Qmentum Diamante, com destaque para as especialidades de neurologia e neurocirurgia, oncologia, cardiologia e pediatria. Possui completo e moderno centro médico e de diagnóstico que garante a continuidade do tratamento de maneira rápida, precisa e segura.

O Hospital Brasília faz parte da Rede Ímpar, formada pelo Maternidade Brasília e mais quatro hospitais nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Informações para a imprensa

Re9 Comunicação Brasília

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Dia Mundial da Alergia, médico explica como ar seco favorece alergia ocular

Incomodo pode até gerar casos mais graves, como ceratocone e conjuntivites A temporada outono inverno …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco
Suporte aos Pacientes
Olá, envie a sua mensagem para o nosso Programa de Suporte aos Pacientes