Home / Notícias / Jovens devem participar da criação e monitoramento de políticas públicas, defende UNICEF

Jovens devem participar da criação e monitoramento de políticas públicas, defende UNICEF

Em parceria com o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) apresentou na sexta-feira (27), na capital fluminense, o #PartiuMudar, projeto para estimular a participação de adolescentes do Ensino Médio nas eleições. Em encontro de especialistas e ativistas, a agência da ONU reuniu mais de cem jovens para debates sobre direitos e democracia. Integrantes dos movimentos negro, LGBTI e indígena alertaram para obstáculos à cidadania plena.

Em parceria com o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) apresentou na sexta-feira (27), na capital fluminense, o #PartiuMudar, projeto para estimular a participação de adolescentes do Ensino Médio nas eleições. Em encontro de especialistas e ativistas, a agência da ONU reuniu mais de cem jovens para debates sobre direitos e democracia.

“Nós vamos capacitar professores para discutir cidadania nas escolas, produzir materiais específicos para se comunicar com os adolescentes, capacitar gestores de políticas no âmbito municipal para promover processos participativos”, explicou o coordenador do programa de adolescentes do UNICEF, Mário Volpi, sobre as ações previstas pelo #PartiuMudar.

A iniciativa foi lançada a nível nacional em outubro (19), com o Tribunal Superior Eleitoral. Estratégia disponibilizará em uma plataforma online conteúdos educativos sobre representação política. O público-alvo do projeto são adolescentes de 14 a 18 anos.

“O mais importante é que aconteça, nas escolas, a discussão sobre tirar o título (de eleitor) aos 16 anos”, acrescentou o especialista do organismo das Nações Unidas.

De acordo com Volpi, o programa é também uma resposta do UNICEF a reivindicações dos adolescentes por mais canais de diálogo com as autoridades. “A ideia é sempre organizar os jovens a partir dos grupos mais excluídos e trazê-los para os ambientes de discussão da política pública porque a voz deles é muito importante, tanto para avaliar a política na forma como ela é implementada, quanto para sugerir novas políticas.”

Em 2016, 833.333 adolescentes de 16 anos e 1.477.787 de 17 tinham o documento que lhes permitia participar dos pleitos para escolher prefeitos e vereadores. O número — pouco mais de 2,3 milhões — equivalia a 1,6% do total de eleitores (144 milhões) aptos a votar naquele ano.

A quantidade de jovens eleitores para quem o voto era facultativo foi quase a mesma registrada seis anos antes. Em 2010, 2.391.092 de brasileiros com 16 e 17 anos haviam se registrado para votar. À época, o contingente representava 1,76% do total de eleitores e quase um terço dos jovens com essas idades — 6,8 milhões de adolescentes, segundo o censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para Adisson Leal, assessor-chefe da Presidência da Escola Judiciária Eleitoral do TSE, o #PartiuMudar foi concebido a partir de um cenário inquietante. “O interesse do TSE (nesses jovens) é o resultado de um diagnóstico de afastamento desse público em relação às atividades e à vida política da nação”, afirmou.

Ao mesmo tempo, avaliou o dirigente, crescem as associações locais de adolescentes que se articulam para lutar por seus direitos. “A gente vai se somar a esse movimento de politização do jovem dentro desse cenário preocupante.”

Ser cidadão é ter identidade de gênero respeitada

A convite do UNICEF, 50 jovens — do Rio e de outras regiões do país — participaram do evento. Entre eles, estava Eduardo Kimuram, de 17 anos. O rapaz alertou que os direitos das pessoas LGBTI têm sido “negados a cada dia”.

“Eu sempre fui muito excluído de todos os grupos sociais”, lembra o adolescente, que se assumiu homem trans quando tinha de 14 para 15 anos. Hoje, ele faz parte da Rede Nacional de Adolescentes LGBT. Seu sonho é estudar Medicina na Universidade de São Paulo (USP).

Eduardo Kimura, de 17 anos, defendeu pautas do movimento da população trans. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade
Eduardo Kimura, de 17 anos, defendeu pautas do movimento da população trans. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

“Quando eu realmente entendi que eu era um homem e gay e que não tem nenhum problema nisso, eu encontrei uma estabilidade e uma paz comigo mesmo. Para eu amar os outros, eu preciso amar a mim mesmo.”

Eduardo, que mora em Brasília, participa do grêmio estudantil da sua escola — o Centro de Ensino Médio da Asa Norte —, promovendo atividades de conscientização sobre os direitos da população transexual. O jovem também apoia o Instituto Brasileiro de Transmasculinidades (IBRAT), indo a outros colégios falar sobre identidade de gênero e orientação sexual.

Para o adolescente, indivíduos trans não têm acesso a uma cidadania plena. “A partir do momento em que eu não sou reconhecido na minha sociedade, que cidadão eu sou?”, questiona. “Eu sou visto como uma mulher, mas isso não é ser cidadão para mim. Ser cidadão, para mim, é ser reconhecido como homem.”

Violência policial e juventude negra

Também presente no encontro, a baiana Bruna Silva, de Salvador, criticou a violência policial, que vitima sobretudo a juventude afrodescendente. Morando na Cidade Baixa da capital, no bairro do Uruguai, a jovem de 17 anos disse se sentir “desprotegida” e cobrou que militares sejam mais bem preparados para atuar na cidade.

“Eu entendo que ser policial é um trabalho bem difícil”, afirmou a menina. “Mas quem deveria nos proteger está no matando. É muito difícil, porque eu sou uma mulher negra e tenho amigos que são homens negros e são mais vulneráveis.”

Bruna — que foi uma das mobilizadoras de jovens do UNICEF, no projeto Plataforma dos Centros Urbanos 2013-2016 — trabalha como poetisa, declamando versos e criações autorais em ônibus. De tarde, a adolescente vai à escola. Assim como Eduardo, ela também sonha em ser médica, mas sem deixar de lado a carreira de artista.

Fonte: https://nacoesunidas.org/jovens-devem-participar-da-criacao-e-monitoramento-de-politicas-publicas-defende-unicef/

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Divulgado primeiro estudo que liga anticoncepcional ao câncer de mama

Orientação não aponta para a interrupção da pílula, mas para a conversa com o médico, …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas