Home / Notícias / Conheça os vencedores do Ig Nobel 2016, que premia as bizarrices da ciência

Conheça os vencedores do Ig Nobel 2016, que premia as bizarrices da ciência

O prêmio Nobel é o maior reconhecimento que um cientista pode receber, representando a premiação maior pelas descobertas e conquistas acadêmicas. O Ig Nobel, por sua vez, já não é tão glamouroso, celebrando aquelas pesquisas que podem até ter um fundamento sério, mas que também têm um tom mais bizarro ou simplesmente ridículo.

Foram divulgados os pesquisadores que foram agraciados com o Ig Nobel deste ano, e você pode conferir quem são eles e quais são suas obras abaixo:

Medicina: o prêmio vai para um grupo da Universidade de Lübeck, na Alemanha. Eles perceberam que se você colocar uma pessoa com uma coceira em frente a um espelho e fazê-la coçar o lado errado de seu corpo, a coceira passará.

Economia: os pesquisadores  Mark Avis, Sarah Forbes, and Shelagh Ferguson receberam o prêmio por medir e avaliar a personalidade de pedras. Parece estranho, mas os cientistas partiram do princípio que marcas também têm personalidades, inspirado no modelo que divide em cinco aspectos a personalidade humana. Os pesquisadores observaram que o método para identificar a personalidade de uma marca também poderia ser aplicado a pedras.

Química: Esse prêmio foi para o desempenho mágico dos motores da Volkswagen, que criou um software que fraudava os testes de emissões de poluentes. Curiosamente, ninguém da empresa se dignou a receber o prêmio.

Paz: O prêmio foi para os autores do artigo “Sobre a recepção e detecção de mentiras pseudoprofundas” (“On the Reception and Detection of Pseudo-Profound Bullshit“). O artigo se dedica a esclarecer o processo de construção de bobagens criadas para parecer ter uma profundidade muito maior do que realmente têm, chegando ao ponto de expor um tweet do guru Deepak Chopra como exemplo de como usar palavras aleatórias não fazem uma frase ser profunda.  Mais especificamente, a frase abaixo:

“Atenção e intenção são as mecânicas da manifestação”

Os autores explicam um pouco sobre a frase: “Ela pode ter sido construída para impressionar o leitor com algum senso de profundidade, sem a exposição clara de um significado ou da verdade”.

Reprodução: foi uma premiação póstuma a Ahmed Shafik, que vestiu ratos do gênero masculino com calças feitas de vários tecidos, incluindo lã e poliéster para ver se isso afetava a quantidade de vezes em que eles acasalavam. Também foram medidos os “potenciais eletrostáticos gerados no pênis e no saco escrotal”. A conclusão foi de que fibras naturais são melhores para os ratos. Posteriormente, ele colocou testículos humanos em uma tira de poliéster e observou que o método poderia ser um contraceptivo eficiente por aumentar a temperatura testicular.

Biologia: O prêmio foi dado em conjunto a Charles Foster e Thomas Thwaites. O primeiro recebeu o prêmio por viver a vida selvagem como um furão, uma lontra, um veado, e uma raposa e um pássaro, em momentos diferentes. O outro foi premiado por criar as próteses que permitiram que ele se movesse como uma cabra, possibilitando que ele passasse tempo vivendo com estes animais.

Física: A premiação envolveu dois times distintos, que estudaram a percepção da luz polarizada. Em um dos estudos, pesquisadores húngaros observaram que libélulas não eram capazes de perceber a diferença entre uma lápide preta polida e um pequeno volume de água, o que fazia com que elas vivessem em cemitérios.

O outro estudo indica que cavalos brancos possuem uma vantagem sobre as outras cores: acontece que as moscas que carregam um parasita do cavalo usam luz polarizada para identificar seu alvo. Como a pele branca do animal reflete a luz, as moscas não conseguem enxergar o cavalo muito bem.

Psicologia: Foi observado que os humanos possuem uma curva em U invertida em diversos comportamentos ao longo da vida. Somos terríveis em alguma coisa quando crianças, chegamos ao nosso auge durante a idade adulta e pioramos novamente com a idade avançada. Isso foi observado em habilidades analíticas, talentos atléticos e até mesmo na capacidade de mentir.

Literatura: Fredrik Sjöberg, por sua trilogia autobiográfica que descreve “os prazeres de coletar moscas que estão mortas e moscas que ainda não estão mortas”.

Percepção: O estudo tentava responder uma simples questão: as coisas parecem ter o mesmo tamanho quando você se curva e observa elas pelo meio das suas pernas? A resposta é não, e esta conclusão foi alcançada após fazer algumas das cobaias usarem óculos que fazem a visão ficar invertida para simular a sensação de se curvar. A conclusão é que a orientação do corpo influencia a percepção visual.

Fonte: Olhar Digital

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Participe da consulta pública Cancêr de colorretal

VOCÊ SABE O QUE É UMA CONSULTA PÚBLICA? Consulta pública (CP) é um mecanismo de …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas