Home / Notícias / “Epilepsia não compromete competência profissional”, diz especialista.

“Epilepsia não compromete competência profissional”, diz especialista.

eplepsiaAos 3 anos, M.J*, hoje com 50, teve a primeira crise. Tremia e se debatia sem que a família, que morava na Zona da Mata mineira, entendesse o que ocorria. Começariam então viagens mensais até o Rio de Janeiro para várias consultas até que se fechasse o diagnóstico: epilepsia.

De lá para cá, medicado, o paciente teve algumas crises esporádicas, mas não pode se considerar livre dessa possibilidade. A última aconteceu no mês passado, enquanto via televisão durante o café da manhã. Caiu da cadeira e começou a se debater. O pai, mais uma vez, foi o espectador da agonia do filho. Quando a crise passou, M.J não se lembrava de nada. Levado ao médico, teve a medicação alterada e está bem.

Estima-se que entre 1% e 3% da população mundial seja acometida pelo mal, que é lembrado hoje, Dia Nacional e Latino-Americano de Combate à Epilepsia. A data busca principalmente combater a desinformação e o preconceito contra os portadores. Segundo a Liga Brasileira de Epilepsia (LBE), trata-se de um distúrbio neurológico crônico, uma alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro, que se expressa por crises recorrentes.

Por se tratar de um problema crônico, a prevenção é possível? Para a neurofisiologista clínica Andréa Julião de Oliveira, membro da Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica (SBNC), algumas medidas podem ser adotadas. “Na verdade, grande parte da doença pode ser prevenida, como é feito com intensidade em países mais desenvolvidos. Por exemplo, nos cuidados com o parto ou no tratamento de infecções do sistema nervoso. Isso, além de uma política de saneamento básico, já que a doença pode, também, ser causada pelo ovo da solitária no cérebro, a neurocisticercose, proveniente de alimentos infectados por fezes”, explica.

Tipos de crise

–  A tônico-clônica ou convulsão afeta metade dos pacientes. Atinge todo o cérebro. A pessoa fica rígida, cai no chão e se debate. As extremidades do corpo tremem.

–  Os sintomas nos outros 50% dos pacientes são variados. Algumas pessoas sentem o braço formigar. A sensação é seguida de pequenos abalos, que acontecem por causa da região afetada do cérebro. Outras sentem cheiros estranhos por alguns segundos e ficam inconscientes. Essa é a crise parcial complexa, com turvação da consciência.

–  Nas crianças, a epilepsia se apresenta na forma de crises de ausência. Ela pode ter vários acessos por dia — às vezes, mais de 100 — e em poucos minutos de duração.

Notícia originalmente postada pelo Diário de Pernambuco

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Menino aguarda transplante de pulmão morando há seis anos em hospital de Canoas

Desde o primeiro ano de vida, o lar de Bernardo Moreira Loureiro, hoje com 7, …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: