Home / Notícias / Erisipela: como se prevenir da doença que pode levar à amputação de membros e até à morte

Erisipela: como se prevenir da doença que pode levar à amputação de membros e até à morte

Uma doença começou a chamar a atenção de muita gente depois que a dançarina Sheila Mello, do extinto grupo É o Tchan, foi internada recentemente em um hospital de São Paulo e a blogueira fitness Gabriela Pugliesi mostrou nas redes sociais os transtornos causados por uma ferida na perna.

É a erisipela, uma infecção na pele que se não for tratada corretamente, pode trazer sérios riscos à saúde e em casos extremos levar até à morte.

A infecção é causada por bactérias naturais da flora cutânea, que penetram no corpo por meio de ferimentos na pele de qualquer natureza como picadas de insetos, frieiras e micoses. As pernas e os pés são, em geral, a região mais atingida. As bactérias entram pela pele ferida e disseminam-se pelos vasos linfáticos, afetando a pele e o tecido subcutâneo.

De acordo com o dermatologista José Jabur da Cunha, da Altacasa Clínica Médica e chefe do Setor de Cirurgia Dermatológica da Santa Casa de São Paulo, a erisipela pode ocorrer em pessoas de qualquer idade.

“Na maior parte dos casos, as bactérias causadoras da erisipela são naturais da nossa pele. Essas bactérias penetram por ferimentos que funcionam como ‘portas de entrada’ e levam à infecção. As situações mais sérias da doença ocorrem entre os idosos, diabéticos, pessoas obesas e aquelas com alterações na circulação dos membros inferiores”, explica o médico.

A erisipela se apresenta com vermelhidão e calor no local, acompanhado de inchaço e dor. A área afetada pode ser pequena mas também extensa em casos mais graves, até com formação de bolhas. Nestes casos, podem ocorrer tremores, febre alta, mal-estar geral e dores no corpo.

O dermatologista explica que casos mais leves podem ser tratados em casa, com antibióticos orais e anti-inflamatórios, por cerca de 10 a 15 dias, além de limpeza do ferimento. Em casos mais graves, a internação hospitalar é necessária para a administração de antibióticos por via venosa.

“Vale ressaltar que, durante o tratamento, os pacientes precisam se afastar de atividades físicas e fazer repouso com a perna afetada elevada. O tratamento deve ser levado a sério, já que a infecção pode evoluir de forma grave levando a complicações mais sérias”, alerta o dermatologista da Clínica Altacasa, enfatizando que é imprescindível buscar auxílio de um médico para o tratamento eficaz e precoce e fugir de qualquer tipo de tratamento caseiro, que pode retardar o início do antibiótico e agravar o quadro infeccioso.

Previna-se contra a doença:

– Tenha uma atenção com a saúde da pele dos seus pés. É por ferimentos despercebidos nos pés que geralmente se inicia a erisipela

– Enxugue bem os espaços entre os dedos dos pés para evitar a proliferação de fungos. Eles podem provocar lesões por onde penetrará a bactéria causadora da erisipela;

– Varie o calçado que você usa no dia a dia para não facilitar o desenvolvimento de micoses e outras condições que podem lesionar a pele e abrir caminho para as bactérias;

– Controle o diabetes

– Tente manter o peso nos limites recomendados;

– Não se automedique; ao perceber os sintomas iniciais da erisipela, procure assistência médica para diagnóstico e tratamento;

Fonte: Assessoria de imprensa da Altacasa Clínica Médica

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Nova gestão do Ministério da Saúde irá ampliar o diálogo, a participação social e revela as prioridades recomendadas para 2023

Perspectiva para a saúde em 2023, é tema debatido durante a 337º Reunião Ordinária do …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco
Suporte aos Pacientes
Olá, envie a sua mensagem para o nosso Programa de Suporte aos Pacientes