Home / Notícias / Anvisa aprova o primeiro medicamento para tratar adolescentes com obesidade no Brasil

Anvisa aprova o primeiro medicamento para tratar adolescentes com obesidade no Brasil

Indicado para a obesidade em adultos desde 2016, Saxenda® foi aprovado pela Anvisa na segunda-feira (03/08) para uso em jovens a partir dos 12 anos

A quantidade de crianças e adolescentes entre 5 e 19 anos com obesidade no Brasil chegou a 13,3 milhões1,2. Esse número é maior do que a população da cidade de São Paulo. Reconhecida como doença crônica pelas principais organizações e associações médicas nacionais e internacionais, a obesidade atinge mais de 600 milhões de pessoas no mundo, mas ainda não havia um tratamento medicamentoso aprovado para adolescentes no Brasil. Nesta semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a ampliação do uso de Saxenda® (liraglutida 3.0 mg), medicamento indicado para o tratamento da obesidade, para jovens a partir de 12 anos, tornando-se o primeiro medicamento indicado para esta faixa etária no país.

Desde 2016, Saxenda® é comercializado no Brasil para o tratamento da obesidade em adultos, associado à reeducação alimentar e exercícios físicos. Produzido pela Novo Nordisk, empresa de saúde dedicada a promover mudanças para vencer o diabetes e outras doenças crônicas graves, como obesidade e distúrbios hematológicos e endócrinos raros, Saxenda® é um análogo do GLP-1, hormônio que é liberado em resposta à ingestão de alimentos.3 O medicamento age principalmente no hipotálamo (região do cérebro), regulando o apetite, diminuindo a fome e aumentando as sensações de plenitude e saciedade após a alimentação.3,4

Até o momento, porém, crianças e adolescentes que lidam com a obesidade, muitas vezes, não tinham opções suficientes de tratamento, explica Rocio Coletta, gerente médica de obesidade da Novo Nordisk. “Os tratamentos disponíveis atualmente para crianças e adolescentes com obesidade eram limitados e havia necessidade de mais opções que pudessem ajudar esses jovens a alcançar e, principalmente, manter uma perda de peso clinicamente relevante, com impactos positivos na sua saúde atual e futura”, explica a médica.

Para analisar a eficácia e a segurança do medicamento em adolescentes, foi realizado um estudo chamado SCALE TEENS, que avaliou os efeitos de Saxenda® em jovens entre 12 e 18 anos durante 56 semanas5. O medicamento se mostrou seguro para uso em adolescentes, sendo náuseas o evento adverso mais prevalente, que tendem a ser transitórias com o uso contínuo da medicação. Ao final do período, o grupo de adolescentes recebendo Saxenda® atingiu cerca de 4,3% de redução no IMC, enquanto o grupo que recebeu placebo apresentou um aumento de 0,35% no IMC.5

Uma das formas de diagnosticar o estado nutricional de crianças e adolescentes é por meio da tabela de escores-Z (ou desvios-padrão de IMC), considerando dados ajustados para sexo e idade.5,6 Uma redução a partir de 5% do peso corporal pode ter benefícios significativos para a saúde, que incluem melhora em fatores de risco cardiovasculares e metabólicos.6

Por que tratar a obesidade na adolescência?

A pandemia do novo coronavírus mostrou que a obesidade é uma doença que merece atenção e tratamento adequados e deixou ainda mais evidente que este cuidado precisa vir desde a juventude. Adolescentes com obesidade correm um risco maior de desenvolver problemas de saúde ao longo da vida, uma vez que 84% deles terão obesidade na idade adulta7 e, por isso, precisam de acompanhamento médico de longo prazo.

“A obesidade é uma doença crônica e, como qualquer outra, deve ter tratamento e acompanhamento médico contínuo, com ou sem medicação, para mantê-la sob controle. Por conta disso, quanto mais cedo o jovem adotar hábitos de vida mais saudáveis, conseguir reduzir e manter o peso de forma adequada, menores serão as chances dele ser um adulto que tenha outras patologias associadas, como doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão e até determinados tipos de cânceres, diminuindo sua qualidade e expectativa de vida”, afirma Rocio.

Assim como em adultos, as causas da obesidade na adolescência são multifatoriais. A doença pode ser desencadeada por fatores genéticos, endócrinos, ambientais, psicológicos e neurológicos.8 Dessa forma, o tratamento também precisa ser multidisciplinar, envolvendo diversas especialidades além do endocrinologista, como nutricionista, educador físico, psicólogo, entre outros. Apenas os médicos especialistas estão aptos a avaliar e indicar o tratamento adequado para cada indivíduo.

Sobre a Novo Nordisk

Empresa global de saúde fundada em 1923 e sediada na Dinamarca. Seu objetivo é promover mudanças para vencer o diabetes e outras doenças crônicas graves, como a obesidade, distúrbios hematológicos e endócrinos raros. Isso é possível porque a Novo Nordisk é pioneira em descobertas científicas disruptivas e trabalha na ampliação do acesso aos seus medicamentos e na prevenção e cura de doenças. A Novo Nordisk emprega cerca de 43.100 pessoas em 80 países e comercializa seus produtos em cerca de 170 mercados. No Brasil há 30 anos, a empresa emprega mais de 1.300 funcionários, contando com a sede administrativa em São Paulo-SP, os dois centros de distribuição no Paraná e a fábrica em Montes Claros-MG. Para mais informações, visite www.novonordisk.com.br, Instagram, Facebook, Twitter, LinkedIn, YouTube.

Referências

1. Obesidade na infância e adolescência – Manual de Orientação / Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Nutrologia. 3a. Ed. – São Paulo: SBP. 2019.
2. Cenário da Infância e Adolescência no Brasil 2020. Fundação Abrinq. 1a Ed.
3. Orskov C, Wettergren A, Holst JJ. Secretion of the incretin hormones glucagon-like peptide-1 and gastric inhibitory polypeptide correlates with insulin secretion in normal man throughout the day. Scandinavian Journal of Gastroenterology. 1996; 31:665-670.
4. Flint A, Raben A, Ersboll AK, et al. The effect of physiological levels of glucagon-like peptide-1 on appetite, gastric emptying, energy and substrate metabolism in obesity. International Journal of Obesity and Related Metabolic Disorders. 2001; 25:781-792.
5. Kelly A, Auerbach P, Barrientos-Perez M. Liraglutide for weight management in pubertal adolescents with obesity: a randomized controlled trial. Journal of the Endocrine Society. Volume 4, Issue supplement 1. April–May 2020. 2020.
6. US Preventive Task Force, Grossman D, Bibbins-Domingo K, et al. Screening for Obesity in Children and Adolescent: US Preventive Services Task Force Recommendation Statement. JAMA. 2017; 317:2417–2426.
7. Freedman et al. J Pediatr 2007;150:12–7;
8. Skelton et al. Pediatr Clin North Am 2011;58:1333–54; Fitch et al. Institute for Clinical Systems Improvement. Prevention and management of obesity for children and adolescents. Julho 2013.; Kumar, Kelly. Mayo Clin Proc 2017;92:251–65; Xia, Grant. Ann N Y Acad Sci 2013;1281:178–90

Fonte: Assessoria de Imprensa

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Dia Mundial da Alergia, médico explica como ar seco favorece alergia ocular

Incomodo pode até gerar casos mais graves, como ceratocone e conjuntivites A temporada outono inverno …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco
Suporte aos Pacientes
Olá, envie a sua mensagem para o nosso Programa de Suporte aos Pacientes