Home / Notícias / Crenças sobre dores menstruais atrasam diagnóstico da endometriose

Crenças sobre dores menstruais atrasam diagnóstico da endometriose

Março é mês mundial da conscientização sobre a endometriose. Tema é abordado no programa de rádio Saúde com Ciência

Cólica menstrual intensa, dor durante a relação sexual e na região pélvica ou abdominal não são normais e podem ser sintomas de endometriose. Porém, é comum que a mulher e, até mesmo o médico, minimizem e naturalizem essas queixas, que são entendidas pela nossa cultura como processo natural da menstruação, levando a mulher a conviver anos com esse sofrimento.

Para se ter uma ideia, estima-se que no mundo todo o diagnóstico da doença demora entre sete e dez anos para ser feito. Por isso, no Dia Internacional da Mulher, o Saúde com Ciência alerta para esse problema, que atinge uma a cada 10 mulheres em idade reprodutiva e pode interferir no bem-estar e qualidade de vida delas.

O que é?

A endometriose atinge cerca de 8 milhões de brasileiras, especialmente na faixa etária de 25 a 35 anos, segundo o Ministério da Saúde. A doença crônica e inflamatória é caracterizada quando o endométrio – o tecido que reveste o útero eliminado na menstruação – passa a crescer em outras regiões como ovário, trompa, bexiga e intestino.

Com isso, a mulher pode sentir cólica forte, dor na região pélvica, inclusive fora do período menstrual, ter o funcionamento intestinal alterado ou ainda apresentar infertilidade. Esses sintomas podem aparecer de forma simultânea ou de maneira isolada. No entanto, até 10% dessas mulheres não apresentam nenhum sintoma específico.

Diagnóstico

Para a professora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina, Márcia Mendonça Carneiro, que é coordenadora da equipe multidisciplinar do Ambulatório de Endometriose e Dor Pélvica Crônica do Hospital das Clínicas da UFMG, um dos problemas no diagnóstico é que tanto médicos quanto as mulheres normalizam a presença de dor.

Por isso, muitas só vão descobrir a doença pela dificuldade de engravidar: cerca de 30% a 40% das mulheres que sofrem de endometriose têm infertilidade. A especialista ressalta que qualquer tipo de dor pélvica precisa de avaliação, principalmente aquela que compromete a qualidade de vida.

“Na hora que a gente vai conversar com mulheres, ela acaba se lembrando: ‘não realmente eu tinha um incomodo quando ia ter relação sexual em determinada posição e acabou que eu me acomodei com meu parceiro em outra posição’. Ou, ‘ah, meu intestino realmente mudava um pouquinho, eu tinha um incomodo durante a menstruação, mas passava’”, exemplifica a professora ao ressaltar a importância da avaliação clínica para o diagnóstico da doença.

A avaliação clínica e o exame ginecológico são os primeiros passos para o diagnóstico, mas a confirmação é feita por meio de exames de imagens, como a ultrassonografia, ressonância magnética ou procedimentos cirúrgicos como laparoscopia para visualizar as lesões.

“Existem poucos profissionais treinados para esse diagnóstico de maneira adequada. Está descrito na literatura que o exame depende do médico que está fazendo ultrassonografia e ressonância, por isso a importância de selecionar onde e quem vai esse exame”, ressalta Márcia Carneiro.

Tratamentos

Não existe cura para a endometriose, mas a doença pode ser tratada para a melhora da saúde física e mental dessa mulher, que pode ter a rotina no trabalho, escola, relacionamento com amigos, família e parcerias prejudicados devido à dor intensa causada pela doença.

A professora da Faculdade de Medicina da UFMG, Márcia Mendonça Carneiro, explica que para a dor o tratamento vai desde a suspensão da menstruação por meio de anticoncepcionais, mudanças de hábitos de vida, como a adoção de uma dieta anti-inflamatória e prática de atividades físicas, até a realização de terapias alternativas como a acupuntura.

“O tratamento é individualizado. Precisamos conversar com essa mulher para saber qual o problema que aflige mais, se é dor ou dificuldade para engravidar, tem que saber a idade, o desejo reprodutivo e tratamentos anteriores”, analisa.

Para o tratamento da infertilidade, geralmente são propiciadas condições mais favoráveis para que a gravidez ocorra, como medicação que colocam a mulher ovulando para mais. Técnicas de reprodução assistida podem ser um tratamento indireto da infertilidade causada pela endometriose, em outros casos, é preciso avaliar se a cirurgia para ressecção dos focos de endometriose é a melhor alternativa.

Mitos e verdades

É verdade que a endometriose acaba quando a mulher entra na menopausa, já que não irá mais menstruar? E a cirurgia para retirar o útero, corta o mal pela raiz e cura a doença? O programa de rádio Saúde com Ciência desta semana esclarece alguns mitos sobre a endometriose.

Confira também quais são os principais tipos da doença, fatores associados no seu desenvolvimento, bem como detalhes sobre o diagnóstico e tratamentos.

Sobre o programa de rádio

O Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a quinta-feira, às 5h, 8h e 18h. Também é possível ouvir o programa pelo serviço de streaming Spotify.

Fonte: Medicina UFMG.

 

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Terapia de Pressão Negativa para Feridas do Pé Diabético tem cobertura obrigatória no plano de saúde

Procedimento está disponível para usuários dos planos de saúde e ajuda os pacientes com diabetes …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *