Home / Eventos / Dia Nacional da Prevenção da Obesidade: Hábitos alimentares influenciam aumento da doença no Brasil

Dia Nacional da Prevenção da Obesidade: Hábitos alimentares influenciam aumento da doença no Brasil

Falta de orientações nutricionais leva população a escolhas alimentares inadequadas.

Hoje, 11 de outubro, é o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade e de acordo com os dados da pesquisa feita pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018), a taxa da doença teve um aumento de 67,8% nos últimos treze anos, saindo de 11,8% em 2006 para 19,8% em 2018. Os números mostram o reflexo dos hábitos alimentares da população.

Os adultos de 25 a 34 anos e 35 a 44 anos tiveram o maior crescimento da obesidade, com 84,2% e 81,1%. Boa parte deste público vive na correria do dia a dia e, por este motivo, opta por consumir alimentos industrializados, ricos gorduras e açúcares, que vem pronto para o consumo e são de fácil acesso.

Para Lenita Borba, coordenadora da Comissão de Políticas Públicas do Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região SP-MS (CRN-3), os números da pesquisa estão ligados à mudança de hábitos alimentares dos brasileiros. “As pessoas substituem alimentos saudáveis por industrializados, pela necessidade de realizar refeições rápidas. É preciso dar ênfase na alimentação saudável, seguir um padrão alimentar, consumir alimentos que contemplam vegetais frescos, proteínas, carboidratos e gorduras saudáveis”, pontua.

A obesidade também contribui para doenças que estão relacionadas à deficiência do sono, sobrecarga do metabolismo, dificuldade para praticar atividades físicas e a questão do isolamento social. Lenita ressalta que “no Brasil existem 33 milhões de pessoas com problemas de saúde decorrentes da obesidade”, e que atualmente “o país vive numa epidemia de doenças crônicas não transmissíveis”.

Os dados da pesquisa mostraram também o crescimento de excesso de peso entre a população. 55,7% dos brasileiros tem excesso de peso. O aumento foi de 30,8% quando comparado com percentual de 42,6% no ano de 2006. A crescente foi nas faixas etárias de 18 a 24 anos, com 55,7%. Quando verificado o sexo, as mulheres apresentaram o maior crescimento com 40%, já os homens 21,7%.

Ter um acompanhamento nutricional é fundamental no processo de mudança de hábitos alimentares. Essa é a forma mais segura de saber como se alimentar, com qual frequência, quais alimentos consumir, como preparar os alimentos e como adequar essa mudança a rotina de trabalho e estudo.

A nutricionista Lenita Borba, Conselheira do CRN-3, acredita que as iniciativas de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) são essenciais para formar pessoas com hábitos saudáveis e com senso crítico sobre a escolha dos alimentos. “A população deve ter acesso ao conhecimento para poder fazer suas escolhas alimentares, e deve estar informada sobre a qualidade dos alimentos. Se a oferta de alimentos não saudáveis chega primeiro nas pessoas, temos um problema”, conclui Lenita.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Relatório aponta desabastecimento de medicamentos em hospitais no Estado, diz Conselho Regional de Farmácia de SP

Os dados foram baseados em 234 respostas de farmacêuticos atuantes na área hospitalar. Para 77% …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco
Suporte aos Pacientes
Olá, envie a sua mensagem para o nosso Programa de Suporte aos Pacientes