Home / Notícias / Estudo brasileiro aponta remissão da hipertensão em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Estudo brasileiro aponta remissão da hipertensão em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Além de controlar a pressão arterial, o tratamento cirúrgico demonstrou melhores resultados em todos os parâmetros metabólicos e inflamatórios.

Um recente estudo brasileiro apontou que a cirurgia bariátrica pode ser mais eficaz do que o uso de medicamentos isoladamente para o tratamento de pacientes com obesidade e hipertensão a longo prazo. A cirurgia bariátrica foi responsável pela remissão da hipertensão em 40,9% dos pacientes operados avaliados após um período de três anos, ou seja, eles mantiveram a pressão controlada sem o uso de medicamentos. Nos pacientes submetidos ao tratamento clínico, a remissão foi de 2,5%.

O estudo Gateway – apresentado no Congresso da Associação Americana de Cardiologia (AHA 2019), realizado na Philadelphia, EUA – também constatou que 72,7% dos pacientes operados reduziram em pelo menos 30% o número de medicações que utilizavam antes da cirurgia.

Já no grupo que está passando pelo tratamento clínico, apenas 12,5% conseguiram reduzir o número de medicações, sendo que na média este grupo terminou o terceiro ano tomando três vezes mais medicações anti-hipertensivas, cinco vezes mais estatinas para o controle do colesterol e oito vezes mais medicamentos para o diabetes, comparado ao grupo cirúrgico.

Participaram do estudo 100 pessoas. Destas, 50 foram submetidas a cirurgia de redução do estômago (Bypass gástrico) e outras 50 continuaram com o tratamento clínico.

O estudo Gateway foi coordenado pelo cirurgião bariátrico, Carlos Aurélio Schiavon, e realizado no Hospital do Coração (HCor), em São Paulo.

“Conseguimos minimizar a não aderência ao tratamento, tendo em vista que quanto mais remédios os pacientes precisam tomar, menor é a adesão ao tratamento. A cirurgia reduz a necessidade de medicações em mais de 70% dos pacientes”, relata Schiavon.

Ele explica que além de controlar a pressão arterial, o tratamento cirúrgico demonstrou melhores resultados em todos os parâmetros metabólicos e inflamatórios.

“Após três anos de monitoramento, os pacientes operados apresentaram excelentes resultados no controle da glicemia que reduziu 14%, do LDL-colesterol (colesterol ruim) que reduziu 29%, dos triglicérides 47% e do IMC que reduziu 28% em relação à fase pré-operatória”, elencou Schiavon.

Outro fator analisado foi a redução da pressão arterial durante a noite, o que representa menor risco cardiovascular. Os especialistas continuam a acompanhar os pacientes periodicamente.

“Esses resultados do Gateway se somam aos grande estudos mundiais que mostram os enormes benefícios da cirurgia bariátrica e metabólica e que transcendem a perda de peso, resultando na remissão do diabetes tipo 2, da hipertensão arterial, entre outros aspectos”, declarou o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, Marcos Leão Vilas Bôas. Ele disse ainda que os benefícios sobre o controle da pressão arterial evidenciados no Gateway explicam porque a cirurgia bariátrica leva a uma redução tão significativa nos índices de infarto, AVC e mortalidade.

Hipertensão – A hipertensão é uma das principais causas de morte e atinge entre 20% e 35% da população adulta na América Latina. A doença, também conhecida como pressão alta, ocorre quando a pressão do sangue, causada pela força de contração do coração nas paredes das artérias para impulsionar o sangue para todo o corpo, se eleva. A elevação crônica de pressão sobre o sistema circulatório, com o passar dos anos, pode gerar uma sobrecarga no coração que tenta se adaptar inicialmente, porém, com o tempo, se torna dilatado e mais fraco.

De acordo com o cardiologista, Luciano Drager, que participou do estudo, a obesidade aumenta em até 4 vezes as chances de um indivíduo ser hipertenso e de ter um Acidente Vascular Cerebral (AVC), infarto, problemas renais e Diabetes Tipo 2. Ele alerta que, mesmo com a remissão da hipertensão, os pacientes devem monitorar a doença. “Precisamos lembrar que a hipertensão não apresenta sintomas, é uma doença silenciosa”, reforça.

Obesidade e hipertensão – A última pesquisa Vigitel – divulgada pelo Ministério da Saúde – apontou que 41,6 milhões de pessoas, ou 19,8% da população brasileira, está acima do peso. Destes, um terço, ou 13,6 milhões, possuem IMC acima de 35 e são elegíveis ao tratamento cirúrgico da obesidade.

No entanto, o número total de cirurgias realizadas no ano passado, cerca de 60 mil cirurgias, representa 0,47% da população obesa elegível à cirurgia bariátrica e metabólica no Brasil.

Outro fator apontado pela pesquisa Vigitel é que houve um aumento no volume de pessoas diagnosticadas com Hipertensão. Em 2006, 22,5% das pessoas tinham diagnóstico médico de hipertensão, que aumentou para 24,7% em 2018. No Brasil, o custo da obesidade chega à 2,4% do PIB e está estimado em R$ 84.3 bilhões/ano.

Quem pode operar? – A cirurgia bariátrica é indicada para pacientes com falha no tratamento clínico realizado por, pelo menos, 2 anos e obesidade mórbida instalada há mais de cinco anos, considerando Índice de Massa Corpórea (IMC) entre 35 kg/m² e 39,9 kg/m², com comorbidades, ou pacientes com IMC igual ou maior do que 40 kg/m², com ou sem comorbidades Já a cirurgia metabólica é recomendado para pacientes que não conseguiram o controle do diabetes com o tratamento convencional e têm Índice de Massa Corporal entre 30 kg/m² e 34,9 kg/m².

Fonte: Assessoria de imprensa.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Dia Mundial da Alergia, médico explica como ar seco favorece alergia ocular

Incomodo pode até gerar casos mais graves, como ceratocone e conjuntivites A temporada outono inverno …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco
Suporte aos Pacientes
Olá, envie a sua mensagem para o nosso Programa de Suporte aos Pacientes