Home / Notícias / Exames e sinais comportamentais ajudam a identificar deficiência auditiva em crianças

Exames e sinais comportamentais ajudam a identificar deficiência auditiva em crianças

A deficiência auditiva é um problema que pode acometer pessoas de diferentes faixas etárias. Em recém-nascidos é consequência, em sua grande maioria, de fatores genéticos e ambientais. Segundo o otorrinolaringologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Gustavo Barros, existem vários fatores de risco associados à deficiência auditiva congênita, como malformações do aparelho auditivo, prematuridade, baixo peso do bebê ao nascer, uso de medicamentos durante a gestação e no período neonatal, dentre outros.

“Ainda é importante salientar que há fatores que podem causar a deficiência após o parto, como internação em UTI (especialmente associada à antibioticoterapia), icterícia neonatal, otites, meningite bacteriana, entre outros”, complementa.

O primeiro método para identificar este tipo de deficiência é feito na maternidade – o teste da orelhinha ou triagem auditiva neonatal. Segundo Barros, se for detectada uma falha na audição, o procedimento deve ser repetido, junto a outros testes mais específicos em caso de necessidade, como o BERA – exame eletrofisiológico que avalia as vias auditivas no sistema nervoso central e periférico.

Nos casos em que a deficiência é tardia, o especialista indica alguns sinais comportamentais que os familiares podem identificar para avaliação da acuidade (percepções dos índices de emissão de ruídos) auditiva, como sustos com sons intensos e a localização da fonte sonora, onde a criança procura focar a atenção em barulhos ambientais como vozes de pais e familiares.

Barros salienta que o tratamento varia de acordo com o grau da perda da audição e a área afetada. “Uma vez constatada a perda auditiva, não importando a causa, é necessário iniciar algum tipo de reabilitação, para que as vias auditivas sejam estimuladas, como o uso de aparelho auditivo”.

Na impossibilidade de aproveitamento do aparelho auditivo convencional, existem atualmente diversas alternativas, como cirurgias reconstrutivas do aparelho auditivo e próteses auditivas implantáveis. A cirurgia do implante coclear se encaixa neste grupo, e consiste em uma tecnologia que transforma o som em um estímulo elétrico, acessando diretamente o nervo auditivo.

“A criança com deficiência auditiva pode ter uma vida como a de outra pessoa sem deficiência, desde que tenha o desenvolvimento adequado e submetida a um tratamento precoce”, reforça o médico.

Além da importância do pré-natal como forma de diminuir o risco da deficiência congênita na infância, o otorrinolaringologista ressalta a atenção que os pais devem ter em manter a carteira de vacinação em dia, não abrir mão do aleitamento materno exclusivo até os seis meses, manter seguimento de puericultura com o pediatra para identificação de possíveis alterações no desenvolvimento infantil e consultar um otorrinolaringologista assim que constatado algum sinal de deficiência auditiva.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Mais de 50 mil AVCs podem ser evitados por ano no Brasil – entenda como

Figurando há anos como uma das principais causas de morte no país, o acidente vascular …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas