Home / Notícias / Hanseníase ainda é doença negligenciada no Brasil e continua em alta

Hanseníase ainda é doença negligenciada no Brasil e continua em alta

Mariângela Biaconcini reforça a importância das chamadas buscas ativas, que auxiliam na detecção e notificação de novos casos

A hanseníase é uma doença crônica contagiosa que afeta quase 300 mil pessoas no mundo todo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Embora existam tratamentos eficazes, no Brasil essa enfermidade é negligenciada e ainda afeta parte considerável da população, principalmente a mais pobre. O Jornal da USP no Ar conversou sobre o assunto com a professora Mariângela Biaconcini Trindade, dermatologista do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical (IMT) da USP, que traçou um panorama da doença no País.

A especialista explica que a doença é causada por bactérias e não é hereditária, embora algumas famílias tenham menores resistências aos bacilos do que outras. No Estado de São Paulo, são registrados cerca de mil casos por ano, afetando principalmente jovens adultos. Em outras regiões do País, como Norte e Nordeste, a ocorrência da hanseníase em menores de 15 anos é uma realidade. Mariângela comenta que pesquisadores da USP vêm mapeando o avanço da doença e ressalta que o desenvolvimento dela “depende do bacilo, do hospedeiro e das condições do ambiente. O Brasil tem ‘clusters’, áreas em que os diagnósticos são mais predominantes do que em outras, e no HC a maioria dos pacientes diagnosticados com a doença vive em condições precárias e temos um alto número de incapacitados nessas regiões”.

Tendo isso em vista, a médica reforça a importância das chamadas buscas ativas, que auxiliam na detecção e notificação de novos casos. Isso se dá porque, mesmo tendo uma taxa de infecciosidade alta, apenas 5% das pessoas afetadas pelas bactérias adoecem de fato, favorecendo um diagnóstico tardio que pode levar ao agravamento do estado de saúde do paciente. Além disso, “é importantíssimo que a população tenha conhecimento sobre essa doença crônica, que é tão negligenciada em relação a outras agudas, assim elas conseguem identificar seus sintomas e buscar auxílio médico”, conscientiza Mariângela. “Campanhas governamentais são eficazes para isso, pois no passado isso já funcionou.”

Alguns dos sintomas da hanseníase são manchas pelo corpo, queda de pelos e diminuição da sensibilidade da pele. Caso chegue a um estado avançado, pode causar deformidades nos membros. O tratamento já existe e é gratuito. Para saber mais sobre isso e conferir detalhes da pesquisa de mapeamento dos pesquisadores da USP sobre a incidência da doença na população brasileira, basta ouvir a entrevista na íntegra.

Fonte: Jornal da USP

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Nova gestão do Ministério da Saúde irá ampliar o diálogo, a participação social e revela as prioridades recomendadas para 2023

Perspectiva para a saúde em 2023, é tema debatido durante a 337º Reunião Ordinária do …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco
Suporte aos Pacientes
Olá, envie a sua mensagem para o nosso Programa de Suporte aos Pacientes