Home / Notícias / Como funciona o controverso implante hormonal conhecido como ‘chip fashion’ ou ‘chip da dieta’

Como funciona o controverso implante hormonal conhecido como ‘chip fashion’ ou ‘chip da dieta’

Ele promete perda de peso, a redução de medidas e, acredite, o desaparecimento de celulites

POR CAROLINA RIBEIRO

Chip-dietaRIO – Há três anos, a dermatologista Laíse Leal, de 30 anos, decidiu trocar a pílula anticoncepcional por um “implante hormonal”. Mas o motivo não foi apenas a proteção contraceptiva e, sim, a vontade de ganhar tônus muscular. O que uma coisa tem a ver com a outra? Entre os efeitos prometidos pelo tal “chip fashion” ou “chip da dieta’’, como é chamado no boca a boca o polêmico e controverso implante, estão a perda de peso, a redução de medidas e, acredite, o desaparecimento de celulites.

As supostas mil e uma maravilhas têm seu preço. E, naturalmente, suas desvantagens e riscos. Entre elas, a possibilidade de aumentar a oleosidade da pele, de alterar o timbre da voz e até de estimular a produção de pelos — quase como faz um anabolizante.

— Meu primeiro pensamento foi o corpo. Eu sou muito magrinha e não tinha muita curva. Por isso, coloquei o implante. Também deixei de ter sangramento, TPM… — conta Laíse, que desembolsa R$ 6 mil por ano para manter o procedimento.

Ela diz que o chip mudou sua vida:

— Senti diferença na retenção de líquido do meu corpo. Fez com que as celulites sumissem, e também fiquei mais definida.

O chip, porém, não deu conta sozinho das mudanças no corpo da dermatologista, que faz musculação três vezes por semana e toma um comprimido diário para controlar a oleosidade da pele:

— Sozinho, o implante não funciona. Desde o início, faço um tratamento casado. Então, não saberia dizer como está a minha pele sem o medicamento.

Os chips ainda têm prazo de validade. Podem ter duração de três, seis ou 12 meses, a depender da necessidade de reposição hormonal. Para cada caso, é feita uma “radiografia”, que identifica que hormônios precisam ser estimulados. Então, depois de passar por uma bateria de exames (de sangue, de saliva e alguns ginecológicos), o implante é fabricado num farmácia de manipulação especializada (só existem duas no Rio que fazem).

— Através de exames de sangue e de saliva, é possível identificar se existe um desequilíbrio hormonal e determinar quais hormônios são atuantes ou não, para, consequentemente, tratá-los — afirma Theo Webert, especialista em modulação hormonal. — Meu foco é alinhar a prática de exercícios físicos e a alimentação à produção hormonal.

Conheça o método de modulação hormonal de Theo Webert, que faz sucesso entre os famosos
Nutricionistas abrem as merendeiras dos filhos e sugerem opções de lanches
Entusiasta dos implantes, o clínico geral e endocrinologista Fabiano Serfaty começou a trabalhar com a técnica ao lado do pai, Alberto Serfaty.

— Os chips manipulados foram criados para tratar patologias típicas das mulheres. E existem várias combinações possíveis (são seis tipos de hormônios) de implantes. Por isso, estudamos previamente cada caso para avaliar a parte clínica e traçar o perfil hormonal — explica Fabiano, que trabalha em parceria com um especialista em São Paulo, que é precursor na técnica, o doutor Elsimar Coutinho.

Em sua forma física, o chip hormonal é um tubinho de silicone de mais ou menos três centímetros. Sua aplicação é feita com anestesia local e, depois, com um aparelhinho que injeta o chip na região do quadril (“perto da marquinha do biquíni”, precisa Laíse Leal). O procedimento não dura mais do que cerca de 20 minutos, e o tubinho não é palpável. Em alguns casos, raros, é possível que o corpo rejeite o implante.

— O implante ganhou o apelido de “chip fashion’’ porque é muito usado por modelos, devido à praticidade e à capacidade de mudar o corpo e a vida da mulher quando indicado de forma correta. Caso contrário, ela pode ter vários efeitos colaterais, como ficar com a voz mais grossa — diz Fabiano.

O especialista Theo Webert alerta ainda sobre a composição dos implantes de hormônio.

— Muitas fórmulas contêm elementos sintéticos, que não indico.

O segredo, para Fabiano, está na dosagem.

— Eu sempre digo que a diferença entre o veneno e a poção mágica está na dose. Ou seja, na dose e na combinação hormonal que a gente escolhe colocar — conclui o especialista.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/ela/beleza/como-funciona-controverso-implante-hormonal-conhecido-como-chip-fashion-ou-chip-da-dieta-17531644#ixzz3mQ8vcfRQ
© 1996 – 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Sobre Priscila Torres

mm

O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR.
Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social “Jornalismo” na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Conselho Federal de Medicina agiliza diagnóstico de morte encefálica

Os critérios para diagnóstico de morte encefálica foram alterados nesta terça-feira, 12, pelo Conselho Federal …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas