Home / Notícias / Microfisioterapia pode ser usada para tratamento de TDA e TDAH

Microfisioterapia pode ser usada para tratamento de TDA e TDAH

Segundo Sergio Bastos Jr e Fresia Sá, especialistas em Microfisioterapia da Biointegral Saúde, de São Paulo, apesar de difíceis de serem diagnosticados, tanto em crianças quanto em adultos, as Síndromes TODA e TDAH podem ser tratadas também com a Microfisioterapia. “Quanto antes o tratamento começar a as causas emocionais e psíquicas desse tipo de doença forem encontradas, mais facilmente os resultados serão sentidos”, lembra Sergio. Fresia complementa: “de qualquer forma, em qualquer circunstância, buscar aquilo que iniciou um processo de dor ou doença é sempre um fator positivo e pode levar, inclusive a descobrir outros problemas a serem tratados”.

Conforme explicam os especialistas, nos últimos anos, tivemos um aumento considerável nos diagnósticos de TDA e TDAH – as síndromes do déficit de atenção e do déficit de atenção por hiperatividade. Consequentemente, tivemos um aumento de informação, matérias e artigos sendo publicados e falando sobre o problema, o que faz parecer que ele é algo recente na nossa sociedade. Claro que o aumento da tecnologia, a vida cada vez mais agitada e imediatista e os novos tempos trazem de maneira mais ampla reações mentais e comportamentais do tipo, mas é preciso falar um pouco sobre as causas anteriores das síndromes.

“É muito comum esse tipo de problema estar ligado, por exemplo, a memórias do clã familiar, associadas a problemas não resolvidos, geralmente de alta carga dramática, como mortes traumáticas e separações sem sentido, provocadas por afogamentos, enforcamentos, assassinatos, execuções, acidentes, suicídios, desaparecimentos, etc. Esse tipo de situação, muitas vezes escondido e mantido sob segredo, acaba gerando uma carga emocional e psicológica que se conecta com as pessoas envolvidas e seus descendentes, fazendo parte da memória genética da família”, explica Sergio.

Segundo ele, crianças nascidas nesse panorama podem trazer uma necessidade de agir por si e por outra pessoa, alguém que tenha sido privado de viver, por exemplo: “seria como querer se concentrar em um livro, mas, ao mesmo tempo, querer sair com os amigos”. Fazer tudo ao mesmo tempo causa agitação e hiperatividade, que pode ser muito externada nas crianças, e mais internalizada nos adultos, que acabam aprendendo a se controlar, mas carregam na psique a mesma ansiedade, que pode causar esquecimentos, comportamentos anti sociais e fobias, por exemplo.

Apesar de ainda estarem sendo muito estudadas, as síndromes também estão muito ligadas a situações como um repouso forçado ou uma enfermidade durante a gravidez, que fariam com que o indivíduo tivesse traços mais agitados e quisesse viver tudo de forma muito intensa. A verdade é que, além da dificuldade de diagnóstico – como diferenciar o estresse de um déficit de atenção? Ou uma ansiedade mais corriqueira de uma hiperatividade? Para Fresia Sá, “as síndromes, assim como outras doenças menos conhecidas e que estão sendo verificadas em crianças, estão levando a um aumento no uso de medicações desde a infância, e a um consequente aumento de outros problemas, relacionados ao uso de medicamentos”.

Para os especialistas, o caminho mais viável é encontrar as causas primordiais de comportamentos considerados inadequados. Avaliar se esses comportamentos estão mesmo relacionados a um problema real que precisa ser tratado e escolher as formas menos invasivas de lidar com ele, especialmente em crianças. “A Microfisioterapia atua de forma ágil e profunda em casos de síndromes, encontrando traumas e memórias difíceis que estejam gravadas no organismo, movimento o próprio corpo para que as elimine e acabe resolvendo o problema”, finaliza Fresia.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Mais de 50 mil AVCs podem ser evitados por ano no Brasil – entenda como

Figurando há anos como uma das principais causas de morte no país, o acidente vascular …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas