Home / Notícias / Ministério incorpora antirretroviral mais potente ao SUS

Ministério incorpora antirretroviral mais potente ao SUS

O uso do dolutegravir será exclusivo para quem apresentou resistência aos medicamentos atuais e também para quem ainda não iniciou o tratamento. O antirretroviral “dolutegravir” tem a indicação de ser utilizado em início de tratamento e aos pacientes com resistência a antirretrovirais mais antigos. O Ministério da Saúde diz que a mudança não vai causar impacto no orçamento porque o medicamento saiu 70% mais barato. Atualmente, o esquema de tratamento das pessoas na fase inicial é composto pelos medicamentos tenofovir, lamivudina e efavirenz, conhecido como 3 em 1. A partir de 2017, o Dolutegravir associado ao 2 em 1 (Tenofovir e Lamivudina) será indicado no lugar do Efavirenz. A oferta do novo antirretroviral para novos pacientes no SUS ocorre diante da atualização do protocolo clínico de diretrizes para o manejo da infecção para o HIV e recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde). O Ministério da Saúde diz que o principal benefício vai ser justamente a diminuição dos efeitos colaterais e da rejeição ao tratamento. De acordo com o ministério, o remédio traz menos efeitos adversos que a terapia usual e facilita a adesão ao tratamento, porque ele é feito apenas com um comprimido diário.

A partir de janeiro de 2017, a rede pública de saúde deverá contar com um novo medicamento para o tratamento de pacientes com HIV. “Ofertar no SUS é uma inovação ousada”, afirma. Segundo o ministro Ricardo Barros, a incorporação da droga não altera o orçamento atual do ministério. “Neste julgamento, está em jogo o acesso à Justiça, a integralidade e universalidade do acesso à saúde e o limite da capacidade contributiva do cidadão”, completou. Temos de um lado o cidadão que precisa de assistência e de outro o que paga impostos. “As ações obrigam gestores a deslocarem recursos de atividades programadas, como vacinação, atenção básica, para outra priorizada pelas ações judiciais”, disse. Todo ano, o Brasil registra em média 40 mil novos casos de Aids, mas esse número está aumentando. No intervalo de 2010 a 2014, foram registrados 40,6 mil novos casos por ano, em média.

Fonte: Tomar TV 

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Mais da metade dos cânceres no Brasil são detectados em fase avançada

O câncer já é a segunda maior causa de mortes no mundo, ficando atrás apenas …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas