Home / Notícias / X Congresso Paulista de Medicina Reprodutiva e I Jornada Internacional de Especialidades da SOGESP

X Congresso Paulista de Medicina Reprodutiva e I Jornada Internacional de Especialidades da SOGESP

Em 9 e 10 de dezembro, a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo em parceria com a Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva (SPMR) realizam, no hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, a I Jornada Internacional de Especialidades da SOGESP e o X Congresso Paulista de Medicina Reprodutiva.

Haverá a presença de renomados médicos nacionais e internacionais, que abordarão assuntos de extrema importância na prática diária, como reprodução assistida, infecções genitais e anticoncepção.

A comissão organizadora é formada por Paulo Cesar Giraldo, presidente da SOGESP; Jarbas Magalhães, vice-presidente da SOGESP; e Newton Eduardo Busso, presidente da SPMR.

“Traremos tecnologia avançada e alguns tratamentos que estão sendo implementados em outros locais, proporcionando atualização, reciclagem e inovação para a Medicina Reprodutiva”, afirma Newton.

Na área de reprodução assistida, os destaques da programação são transplante uterino; abortamento de repetição; gestação incipiente de localização desconhecida; atualização da indução da ovulação; e diagnóstico genético.

“A reprodução humana, hoje em dia, é uma dos principais campos de interesse da paciente. É um assunto muito em voga, tanto a parte da fertilização assistida para tratamento dos casais inférteis, quanto a de preservação da fertilidade – que atende a mulheres inférteis em busca de alternativas como o congelamento de óvulos, por exemplo”,  explica o dr. Leopoldo Tso, médico sócio do Projeto Alfa (Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida) e membro do Conselho Editorial da Revista SOGESP.

Ocorrerão wokshops sobre os transplantes uterinos, tecnologia de ponta criada na Súecia, com os suecos Mats Brännström e Pernilla Dahm-Kähler.

“O transplante uterino abre perspectivas para mulheres receberem a doação do órgão em casos de agenesia, histerectomia, malformações ou outras afecções que impeçam a ocorrência de uma gravidez, podendo substituir o que hoje chamamos de cessão temporária do útero. Isso é inovação, tecnologia de ponta e a grande novidade do Congresso”, conta Newton Busso.

Em relação a infecções genitais, a I Jornada Internacional de Especialidades da SOGESP enfocará profunda e cientificamente sobre essas disfunções, comum entre as mulheres e principal causa de infertilidade.

Assuntos como vaginose bacteriana e candidíase vaginal serão discutidos entre grandes especialistas mundiais e estudiosos destes problemas, como Larry Forney, professor que trabalha com microbioma vaginal; Steve Witkin, professor de infecção na Universidade de Cornell e especialista em imunologia; e Phillip Ray, uma das maiores autoridades sobre vaginose bacteriana.

“O ecossistema vaginal (microbioma) é fundamental para uma série de condições, pois está ligado à reprodução humana e até à autoestima da mulher. Na boca, no intestino e na bexiga temos uma série de mecanismos de defesa do organismo contra infecções; mas na vagina não é assim, já que a presença de um sistema muito efetivo de eliminação ou de resposta imunológica impossibilitaria os espermatozoides de subirem e, consequentemente, comprometeria a reprodução humana. Os lactobacilos presentes na vagina a deixam com pH bem ácido, entre 3,8 e 4,5, impedindo que outras bactérias, prejudiciais, cresçam. Porém, estas querem sobreviver, e para isso utilizam mecanismos de agressão do tecido, formando biofilmes – que dependem do microbioma vaginal para dar as condições locais físicas e químicas para serem ou não produzidos, interferindo, consequentemente, na saúde vaginal -. Logo, não é apenas o hormônio que conta, o próprio ecossistema vaginal se regula. Por isso, estamos trazendo essas três pessoas de altíssimo padrão para falar sobre o tema”, alerta o dr. Paulo Giraldo.

Os principais pontos de debate nos painéis Infecções Genitais serão vaginites não-habituais; vulvovaginites, sexualidade e psiquismo feminino; novas perspectivas no tratamento e diagnóstico da vaginose bacteriana; e atualização em candidíase vaginal. “Mostraremos que o rastreamento de possíveis infecções em pacientes ginecológicas normais é essencial para verificar se há bactérias e agentes que provoquem infecções e a consequente infertilidade. Isso porque muitas mulheres só descobrem que estão infectadas quando não conseguem engravidar”, informa Adriana Campaner, médica do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Já na área de anticoncepção serão abordados os métodos contraceptivos reversíveis de longa duração (os LARCS); as novas pílulas de estradiol; o sistema intrauterino liberador de levonorgestrel; e anticoncepção contínua e estendida. Será discutida a interrelação de anticoncepcionais com várias comorbidades, como enxaqueca, obesidade e conduta pós-cirurgia bariátrica. Para isso, estarão presentes os melhores especialistas do Brasil e a especialista portuguesa Teresa Bombas, uma das “experts” mundiais dos LARCS e um dos destaques da Sociedade Europeia de Anticoncepção.

“Trataremos do tratamento do sangramento uterino aumentado com anticoncepcionais – tanto com pílulas anticoncepcionais quanto com o sistema intrauterino liberador de hormônio dentro da cavidade uterina; bem como os sintomas desse problema, que trazem prejuízos como anemia, dificuldades no trabalho, falta de concentração e de memória, entre outros”, informa Jarbas Magalhães.

“Os métodos contraceptivos têm se desenvolvido em grande velocidade desde o lançamento da primeira pílula anticoncepcional. Nos últimos anos, muito se fala sobre a supressão da menstruação com o uso estendido dos contraceptivos orais. A experiência clínica e os estudos mais recentes mostram que as pílulas de uso contínuo são eficazes e seguras, além de beneficiar mulheres que apresentam sintomas indesejáveis durante as menstruações. Mais do que uma tendência, o uso é cada vez mais recomendado em determinadas situações”, expõe o dr. Rogério Bonassi, 2º vice-presidente da SOGESP.

Os tratamentos a serem apresentados possibilitarão atualização e inovação dentro da área da Medicina Reprodutiva. Por isso, biólogos, médicos, psicólogos e enfermeiros podem se beneficiar com os conhecimentos que serão
apresentados e estão convidados.

“Nada melhor do que encerrar o ano com chave de ouro em um encontro internacional com os grandes nomes nacionais e internacionais da Medicina Reprodutiva”, finaliza Jarbas.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Pacientes oncológicos podem viajar?

Especialista alerta para os cuidados que pacientes que enfrentam câncer devem tomar na hora de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas