Home / Notícias / 18% das mulheres sentem dor na relação sexual

18% das mulheres sentem dor na relação sexual

A especialista em dor, Débora Pádua, fisioterapeuta pélvica e sexóloga explica a condição.

Os dados são de um estudo do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) da Faculdade de Medicina da USP, no Brasil. Nos EUA, de acordo com o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), elaborado pela Associação Americana de Psiquiatria, cerca de 15% das mulheres norte-americanas sofrem com o problema que ainda é desconhecimento muitas mulheres que passam a vida inteira tendo relações com dor. Isso pode ser Vaginismo – condição que gera dor na penetração. A especialista em dor, Débora Pádua, fisioterapeuta pélvica e sexóloga explica a condição.

As mulheres que são acometidas pelo vaginismo têm a sua musculatura contraída a ponto de dificultar ou até mesmo impossibilitar a penetração do seu parceiro. Elas ainda apresentam dificuldade para colocar absorventes internos ou fazer exames ginecológicos. “É o chamado vaginismo , uma disfunção sexual feminina que provoca contrações involuntárias nos músculos do assoalho pélvico (que inclui a vulva e o canal vaginal) e torna dolorosa qualquer tentativa de penetração na região. Mas, a fisioterapia pélvica pode ajudar a tratar casos de dor gênito-pélvica e dor na relação”, afirma Débora.

Mulheres que apresentam dor na relação ou dificuldade na penetração raramente dividem suas experiências com outras pessoas, sejam amigos ou familiares. “Por muito tempo, a baixa autoestima e sentimentos de inferioridade, medo e vergonha podem tomar conta da situação e atrasar ainda mais a procura por um diagnóstico e tratamento adequados”, conta a especialista que completa “No entanto, ao contrário do que pensam essas mulheres, elas estão longe de estarem sozinhas ou serem uma exceção”.

Diagnóstico

Débora conta que qualquer mulher que sinta dor, incômodos ou sensação de queimação na rotina íntima, o primeiro passo é procurar um ginecologista para descartar alterações anatômicas ou possíveis alterações orgânicas, se nada for constatado, deve-se então procurar um fisioterapeuta pélvico para avaliação e diagnóstico.

Causas

As contrações involuntárias típicas do vaginismo podem ter causas diversas, tanto físicas quanto psicológicas. “Entre os fatores que podem desencadear a dor na relação e a dificuldade na penetração estão o pós-parto doloroso, atrofia vaginal (principalmente depois da menopausa), lesões ou inflamações relacionadas a doenças ginecológicas”, explica a especialista.

Ainda pela influência de uma educação sexual rígida, aliada principalmente a questões religiosas, o vaginismo aparece em altos índices e, em casos mais graves, algumas experiências sexuais traumáticas como abusos ou estupro também podem predispor a mulher a desenvolver a disfunção. E ainda existem casos sem uma causa definida.

Tratamento

O tratamento poderá ser multidisciplinar com ginecologistas, fisioterapeutas pélvicos e terapeutas.

“Durante o tratamento, a papel da fisioterapia pélvica é fundamental. Exercícios de relaxamento e de dessensibilização da região vaginal devem ser orientados para que a musculatura genital “desaprenda” a provocar contrações involuntárias quando estimulada”, finaliza.

Clínica Débora Pádua

A primeira do Brasil a oferecer um serviço especializado em tratamento do vaginismo e da dor na relação, na qual as pacientes encontram uma equipe de fisioterapeutas capacitadas para ajudá-las a romper o ciclo da dor. Acesse o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=HpsuhVrPCeA. Quer saber mais sobre vaginismo? Acesse http://www.vaginismo.com.br/vaginismo e acompanhe as publicações da Clínica Débora Pádua no Instagram

Fonte: Assessoria de imprensa.

Sobre Priscila Torres

mm
O diagnóstico de uma doença crônica, em 2006, me tornou, blogueira e ativista digital da saúde. Sou idealizadora do Grupo EncontrAR e Blogueiros da Saúde. Vice-Presidente do Grupar-RP, presidente do EncontrAR. Apaixonada por transformação social, graduanda em Comunicação Social "Jornalismo" na Faculdades Unidas Metropolitanas.

Além disso, verifique

Dia Mundial da Alergia, médico explica como ar seco favorece alergia ocular

Incomodo pode até gerar casos mais graves, como ceratocone e conjuntivites A temporada outono inverno …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco
Suporte aos Pacientes
Olá, envie a sua mensagem para o nosso Programa de Suporte aos Pacientes